v. 1, n. 6 (2015)

Travessias da Seca


Capa da revista

O trabalho que ilustra este número da Entrelaces é uma aquarela. Faz parte de uma série, que denomino “Paisagens do sertão”. A aquarela líquida permitiu unir a suavidade da pincelada ao efeito de textura do bico de pena. A pincelada sugere o solo árido, no primeiro plano, e o céu com nuvens promissoras, ao fundo. Em contraste com esses efeitos do pincel, aparece a imagem da árvore sem folhas, com sombras que se confundem com raízes, e a longa cerca, em perspectiva que corta horizontalmente a composição. Cada elemento técnico, evidentemente, aparece no conjunto com uma função que considero simbólica. O próprio uso da aquarela, técnica em que a água é essencial na mescla dos pigmentos, tem relação com a necessidade de água do sertão nordestino. O contraste entre a cor quente da terra e a cor fria do céu também não é uma coincidência, já que representa o paradoxo climático de nossa região, na dialética da vida e da morte. Outro contraste é sugerido pela cerca, que, por um lado, separa a natureza da cultura, e, por outro, divide a sociedade entre proprietários e não proprietários.

José Leite Jr.

Professor do Departamento de Literatura da Universidade Federal do Ceará - UFC