Prevalência de Staphylococcus aureus resistente à oxacilina isolado em profissionais de enfermagem

Letícia Pimenta Lopes, Daiana Patrícia Marchetti Pio, Fernanda Maria Vieira Pereira, Mayra Gonçalves Menegueti, João Paulo de Freitas, Elucir Gir

Resumo


Objetivo: estimar a prevalência de Staphylococcus aureus resistente à oxacilina isolado na saliva e em secreção nasal dos profissionais de enfermagem. Métodos: estudo transversal realizado em unidades especializadas de um hospital universitário. No total, 600 amostras de saliva e secreções nasais foram obtidas de profissionais de enfermagem. Resultados: dos 100 participantes, identificou-se o crescimento de Staphylococcus aureus em 43,0% dos profissionais, 7,0% eram resistentes à oxacilina. Desses Staphylococcus aureus resistentes à oxacilina, 100,0% foram carreadores nasais; dois profissionais foram carreadores nasais e na saliva. Todos os profissionais colonizados por Staphylococcus aureus resistente à oxacilina tiveram indicação para realizar o protocolo de descolonização vigente na instituição do estudo, seis aceitaram seguir o protocolo e apenas dois apresentaram culturas negativas para Staphylococcus aureus após a descolonização. Conclusão: os resultados demonstraram a colonização do profissional de enfermagem por Staphylococcus aureus, sendo a cavidade nasal apontada como um importante sítio de colonização.


Palavras-chave


Staphylococcus aureus; Resistência a Meticilina; Enfermagem.

Texto completo:

PDF (English) PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15253/2175-6783.20181932478

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Este trabalho está licenciado sob Creative Commons – Licença CC BY  https://creativecommons.org/licenses/

 Marca ABEC Completa