Acesso de lésbicas, gays, bissexuais e travestis/transexuais às Unidades Básicas de Saúde da Família

Palavras-chave: Acesso aos Serviços de Saúde; Saúde da Família; Minorias Sexuais e de Gênero.

Resumo

Objetivo: compreender o acesso de lésbicas, gays, bissexuais e travestis/transexuais às Unidades Básicas de Saúde da Família. Métodos: pesquisa qualitativa, realizada com 54 usuários(as). Utilizou-se entrevista semiestruturada e o teste de associação livre de palavras. Os dados foram processados pelo software IRaMuTeQ®, submetidos à técnica de Análise de Conteúdo. Resultados: emergiram seis categorias: Silenciamento quanto à orientação sexual e identidade de gênero -o acesso é facilitado desde que não se revelem; Invisibilidade e indiferença aos marcos políticos legais- antagonismo entre o paradigma pensado e executado; Manifestações homofóbicas e efeitos no acesso - uso restrito do serviço; Constrangimento e distanciamento - afastamento e busca por serviços privados; Práticas des(humanizadas) e antiéticas - falta de sensibilização, sigilo; e Estigma e acesso - permanência de estigmas entre Síndrome de Imunodeficiência Adquirida e homossexualidade. Conclusão: o acesso desta população aos serviços de saúde é limitado, permeado por intolerância, constrangimentos e posicionamentos aéticos e excludentes.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Aragusuku HA, Lopes M. Preconceito, Discriminação e Cidadania LGBT: Políticas Públicas em Mato Grosso e no Brasil. Aceno [Internet]. 2016 [citado 2018 mar. 13]; 3(5):242-58. Disponível em:http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/aceno/article/download/3853/pdf

Silva JWSB, Silva Filho CN, Bezerra HMC, Duarte KVN, Quinino LRM. Políticas públicas de saúde voltadas à população LGBT e à atuação do controle social. Rev Saúde Pública Paraná. 2017; 18(1):140-9. doi: http://dx.doi.org/10.22421/1517-7130.2017v18n1p140

Lima MDA, Souza AS, DANTAS MF. Os desafios a garantia de direitos da população LGBT no Sistema Único de Saúde (Sus). Rev Interfaces. 2016; 3(11):119-25. doi: http://dx.doi.org/10.16891/2317-434X.377.

Duarte MJO. Diversidade sexual, políticas públicas e direitos humanos: Saúde e cidadania LGBT em cena. Temporalis [Internet]. 2014 [citado 2018 mar. 8]; 14(27):77-98. Disponível em: http://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/7209

Vinuto J. A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto. Temáticas [Internet]. 2014 [citado 2018 mar. 8]; 22(44):203-20. Disponível em: https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/tematicas/article/view/2144/1637

Camargo BV, Justo AM. Iramuteq: um software gratuito para análise de dados textuais. Temas Psicol. 2013; 21(2):513-18. doi: http://dx.doi.org/10.9788/TP2013.2-16

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2016.

Kalume CC, Itaborahy LP, Moreira JCC. Vulne- rabilidades socioeconômicas de pessoas LGBT no Rio de Janeiro [Internet]. 2016 [citado 2018 jun. 19]. Disponível em: https://microrainbow.org/wp-content/uploads/2017/05/Vulnerabilidades-socioecon%C3%B4micas-de-pessoas-LGBT-no-Rio-de-Janeiro-artigo-completo.pdf

Bittencourt D, Fonseca V, Segundo M. Acesso da população LGBT moradora de favelas aos serviços públicos de saúde: entraves, silêncios e perspectivas. Conexões PSI [Internet]. 2014 [citado 2018 mar. 8]; 2(2):60-85. Disponível em:https://promundo.org.br/recursos/acesso-da-populacao-lgbt-moradora-de-favelas-aosservicos-publicos-de-saude-entraves-silencios-e-perspectivas/

Whitehead J, Shaver J, Stephenson R. Outness, stigma, and primary health care utilization among rural LGBT populations. PLoS ONE. 2016; 11(1):e0146139. doi: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0146139

Vianna CP. O movimento LGBT e as políticas de educação de gênero e diversidade sexual: perdas, ganhos e desafios. Educ Pesq. 2015; 41(3):791-806. doi: http://dx.doi.org/10.1590/s1517-97022015031914

Munson S, Cook C. Lesbian and bisexual women’s sexual healthcare experiences. J Clin Nurs. 2016; 25(23-24):3497-510. doi: https://doi.org/10.1111/jocn.13364

Chapman R, Wardrop J, Freeman P, Zappia T, Watkins R, Shields L. A descriptive study of the experiences of lesbian, gay and transgender parents accessing health services for their children. J Clin Nurs. 2012; 21(7-8):1128-35. doi: https://doi.org/10.1111/j.1365-2702.2011.03939.x

Mazzi RAP, Oliveira LYQ, Dorsa AC. O discurso da humanização da assistência hospitalar no Brasil sob a ótica analítica de Van Dijk. Rev Cont Cienc Soc [Internet]. 2017 [citado 2018 mar. 9]. Disponível em: http://www.eumed.net/rev/cccss/2017/03/discurso-assistencia-hospitalar.html

Sampaio SS, Rodrigues FW. Ética e sigilo profissio- nal. Serv Soc Soc. 2014; (117):84-93. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-66282014000100006

Publicado
2018-07-24
Seção
Artigos de Pesquisa