Atributos da atenção primária nas internações de crianças: Acesso de primeiro contato e Longitudinalidade

Palavras-chave: Cuidado da Criança; Atenção Primaria à Saúde; Enfermagem.

Resumo

Objetivo: identificar os atributos da atenção primária à saúde Acesso de primeiro contato e Longitudinalidade em crianças hospitalizadas. Métodos: estudo transversal, realizado em dois hospitais, com 120 crianças menores de cinco anos de idade internadas por condições sensíveis à atenção primária em saúde. Coleta de dados realizada utilizando o Primary Care Assessment Tool. Resultados: o grau de afiliação obteve melhor escore (aproximadamente 8,0), sendo o único entre todos os componentes do instrumento avaliado de forma satisfatória (≥6,6). A Longitudinalidade (>4,0) apresentou menor escore em comparação ao Acesso de primeiro contato (5,6). Segundo os pais, o enfermeiro foi o profissional que mais realizou o acompanhamento na Puericultura. Conclusão: os resultados apontam fragilidades nos serviços e insatisfação dos cuidadores, evidenciados pela baixa orientação aos princípios da Atenção Primária à Saúde.

Referências

(Suppl2):e00118816. doi: https://doi.org/10.1590/0102-311X00118816

Mendes EV. Comentários sobre as Redes de Atenção à Saúde no SUS. Divulgação em saúde para debate [Internet]. 2014 [citado 2018 abr 16]. Disponível em: http://www.fcap.adm.br/wp-content/uploads/2014/07/Seminario-Divulgacao-em-Saude-52-Redes.pdf#page=40

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção em Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual do instrumento de avaliação da atenção primária à saúde: Primary Care Assessment Tool Pcatool – Brasil. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

World Health Organization. Ending preventable child deaths from pneumonia and diarrhoea by 2025: the integrated Global Action Plan for Pneumonia and Diarrhoea (GAPPD). Geneva: WHO; 2013.

Ministério da Saúde (BR). DATASUS - Base de dados do Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Ministério da Saúde(BR). Portaria n.221, 17 de abril 2008: publica em forma de anexo a Lista Brasileira de Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Fracolli LA, Gomes MFP, Nabão FRZ, Santos MS, Cappellini VK, Almeida ACC. Primary health care assessment tools: a literature review and metasynthesis. Ciênc Saúde Coletiva. 2014; 19(12):4851-60.doi:http://dx.doi.org/10.1590/1413-12320141912.00572014

Ferreira JBB, Borges MJG, Santos LL, Forster AC. Internações por condições sensíveis à atenção primária à saúde em uma região de saúde paulista, 2008 a 2010. Epidemiol Serv Saúde. 2014; 23(1):45-56. doi: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742014000100005

Oliveira MMC, Harzheim E, Riboldi J, Duncan BB. PCATool-ADULTO-BRASIL: uma versão reduzida. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2013; 8(29):256-63. doi: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc8(29)823

Oliveira BRG, Viera CS, Collet N, Lima RAG. Acesso de primeiro contato na atenção primária em saúde para crianças. Rev Rene [Internet]. 2012 [citado 2018 abr. 13]; 13(2):332-42. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/rene/article/view/3922/3113

Olivira VBFC, Veríssimo MLR. Children’s health care assistance according to their families: a comparison between models of Primary Care. Rev Esc Enferm USP. 2015; 49(1):30-6. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420150000100004

Pina JC, Moraes AS, Freitas ICM, Mello DF. Role of Primary Health Care in child hospitalization due to pneumonia: a case-control study. Rev Latino-Am Enfermagem. 2017; 25:e2892. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1518-8345.1731.2892

Jerant A, Fenton JJ, Franks P. Primary care attributes and mortality: a national person-level study. Ann Fam Med. 2012; 10(1):34-41. doi: http://dx.doi.org/10.1370/afm.1314

Rocha SF, Soares JL, Reis JGA, Cardoso J. Análise da qualidade de vida dos beneficiários do programa bolsa família na cidade de Porto Velho. Rev Pesq Criação [Internet]. 2011 [citado 2018 abr. 23]; 10(2):59-73. Disponível em: http://www.periodicos.unir.br/index.php/propesq/article/viewFile/412/454

Rudan I, O’Brien KL, Nair H, Liu L, Theodoratou E, Qazi S, et al. Epidemiology and etiology of childhood pneumonia in 2010: estimates of incidence, severe morbidity, mortality, underlying risk factors and causative pathogens for 192 countries. J Glob Health. 2013; 3(1):010401. doi: https://10.7189/jogh.03.010401

Hatisuka MFB, Arruda GO, Fernandes CAM, Marcon SS. Tendency analysis of admission rates for bacterial pneumonia in children and adolescents. Acta Paul Enferm. 2015; 28(4):294-300. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201500051

Santos EP, Ferrari RAP, Bertolozzi MR, Cardelli AAM, Godoy CB, Genovesi FF. Mortality among children under the age of one: analysis of cases after discharge from maternity. Rev Esc Enferm USP. 2016; 50(3):390-8. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420160000400003

Malaquias TSM, Gaíva MAM, Higarashi IH. Perceptions of the family members of children regarding well-child check-ups in the family healthcare strategy. Rev Gaúcha Enferm. 2015; 36(1):62-8. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2015.01.46907

Pina JC, Moraes SA, Furtado MCC, Mello DF. Presence and extent of the primary health care attributes among children hospitalized for pneumonia. Rev Latino-Am Enfermagem. 2015; 23(3):512-9. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0104-1169.0502.2582

Ferrer APS, Grisi SJFE. Assessment of access to primary health care among children and adolescents hospitalized due to avoidable conditions. Rev Assoc Med Bras. 2016; 62(6):513-23. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1806-9282.62.06.513

Publicado
2018-09-26
Seção
Artigos de Pesquisa