Na América decolonial: crianças ou infâncias?

Uma interrogação sobre a teorização da fase inicial da vida

Resumo

Este pretende  trazer  à cena reflexões sobre o desenvolvimento da criança no horizonte histórico de um Brasil decolonial, utilizando a hermenêutica como prática interpretativa de leitura, a propõe-se um diálogo compreensivo entre o pensamento decolonial e  fenomenologia. A perspectiva Fenomenológico  Existencial contribui para pensar a criança como ser-no-mundo rompendo com a criança esquadrinhada pelas teorias do desenvolvimento infantil. Estudos pós-coloniais e decoloniais propuseram investigar o sentido histórico no qual estamos, desenvolvendo críticas a um modelo eurocêntrico originadas no interior das crises políticas, econômicas e sociais. A invisibilidade da diferença impede de se debruçar sobre o assunto que se revela constantemente, pensar numa criança a partir da sua cultura, promove direitos humanos, regras e políticas públicas.

Palavras-chave: Desenvolvimento da Criança; Cultura; Deco-
lonialismo; Fenomenologia; Heidegger

Biografia do Autor

Maira Prieto Bento Dourado, Universidade Federal do Sul da Bahia

Psicóloga Clínica de formação fenomenológica Existencial, pesquisadora dos temas infancia, fenomenologia cultura e psicoterapia, Doutoranda e Mestre em Humanidades no Programa de Pósgraduação em Estado e Sociedade-UFSB, graduada pela UERJ e Especialista em Clínica pelo IFEN, Especialista em Psicopatologia Clínica.

Referências

ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

BHABHA, Homi. Local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos pagu (26), janeiro-junho de 2006: pp.329-376.

BORDA, Fals. Una sociología sentipensante para América Latina. México, D. F. : Siglo XXI Editores; Buenos Aires: CLACSO, 2015.

CESAIRE, Aimé. Discurso sobre o Colonialismo. Lisboa: Liraria Sá da Costa, 1978.

CASTRO, Lucia. R. (Org.) Infância e adolescência na cultura do consumo. Rio de

Janeiro: NAU, 1998

_________ Re-visitando a infância contemporânea: passagens, possibilidades e

destinos. Disponível em: <http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC0000000032

&lng=es&nrm=abn>. Acesso em 30.jun. 2011.

COIMBRA, Cecíllia. M. B. Guardiães da ordem - uma viagem pelas práticas psi no Brasil

do "milagre". Rio Janeiro: Oficina do Autor, 1995. Cap. 1, p.01-38.

DEL PRIORE, Mary. (Org.) História das crianças no Brasil. 3ª ed., São Paulo: Contexto,

Apresentação, p. 7-18.

____. O cotidiano da criança livre no Brasil entre Colônia e o Império. In____.

História das crianças no Brasil. 3ª ed., São Paulo: Contexto, 2002. Cap. 3, p.84-106.

DUSSEL, Enrique. Europa, modernidade e eurocentrismo in LANDER, Edgardo. A Colonialidade do Saber: eurocentrismo e ciências sociais, perspectivas latino-americanas. Buenos Ayres: Clacso, 2005.

FIGUEREDO, Luis Claudio. M. Matrizes do pensamento psicológico. 10ª ed., Petrópolis:

Vozes, 2003.

FANON, Francis. Pele Negra, Máscaras Brancas. Salvador: Edufba, 2008.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: Transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade. Global Revista Crítica de Ciências Sociais, 80, Março 2008: 115-147

HEIDEGGER, Martin. Introdução à filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

HALL, Stuart. Da diáspora identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

SAID, Eduward. W. Orientalismo o oriente como invenção do ocidente. São Paulo, Cia das Letras, 1990.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar?. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

Publicado
2019-09-10
Seção
Dossiê: Novos sujeitos, novos direitos e cidadania: pluralismos e perspectivas do Sul