A tortura representada no conto O fato completo de Lucas Matesso

Palavras-chave: Tortura, Teor Testemunhal, Lucas Matesso, Luandino Vieira, Salazarismo

Resumo

A partir do método da literatura comparada este artigo analisa o O fato completo de Lucas Matesso (1997) de Luandino Vieira e as torturas que nele estão descritas. Nesse viés, o objetivo do trabalho está em refletir as experiências de traumas depositadas ao corpo após o processo de tortura, concomitante a isso refletir as violências acometidas contra o personagem Lucas Matesso diante dessa obra de teor testemunhal. Portanto, a manifestação literária representada pelos contos, no contexto contemporâneo da literatura brasileira e angolana, permite perceber a violência ditatorial e a resistência por parte dos encarcerados, na qual mostra a atrocidade e a brutalidade sofrida por eles, apresentando um cenário real vivenciado por países que até os dias atuais resistem as repressões ditatoriais.

Biografia do Autor

Maria Genailze Chaves, Universidade Federal do Pará

Pós graduanda em Linguagens e Saberes na Amazonia - Bragança 

Smith, Universidade Federal do Pará

Professor adjunto IV(UFPA) da Faculdade de Letras e do Programa de Pós-graduação em Letras, Linguagens e Saberes na Amazônia (PPLSA). Membro da Associação Brasileira de Literatura Comparada e Membro do PROLIN - Proficiência de Língua Inglesa da Universidade Federal do Pará. Cooderdenador do PROLIT - Projeto de Letramento Literário. 

Lilia Rocha , Universidade Federal do Pará

Professora Adjunto do curso de Licenciatura em Letras - habilitação em Língua Inglesa da Universidade Federal do Pará (UFPA). Especialista em Ensino de Línguas Mediado pelo Computador pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) . 

Referências

BOHLEBER, Werner. Recordação, trauma e memória coletiva: a luta pela recordação em psicanálise. Revista brasileira de psicanálise, vol. 41, n. 1, p. 154-175, mar. 2007.
BOSI, Alfredo. Literatura e Resistência. São Paulo: Companhia de Letras, 2002.
BRAIT, Beth. A personagem. 3. ed. São Paulo: Ática, 1985.
CALVEIRO, Pilar. La decisión política de torturar. In: SUBIRATS, Eduardo. Contra la tortura. México: Fineo, 2006.
CANDIDO, Antônio. A Personagem de Ficção. São Paulo: editora Perspectiva, 1972.
CARVALHAL, Tânia Franco. Literatura Comparada. 4. ed. São Paulo: Editora Ática, 2006.
CASCUDO, Fernando Luiz da Câmara. Angola: A guerra dos traídos. Rio de Janeiro, Bloch Editores S A, 1979.
CLAUDON, Francis; HADDAD-WOTLIG, Karen. Elementos de Literatura Comparada: Teorias e métodos da Abordagem Comparatista. Tradução de Luís Serrão. Portugal: Inquérito, 1992.
FANON, Frantz. Os condenados da terra. Tradução de Laurênio de Melo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.
FREUD, Sigmund. Além do princípio do prazer, psicologia de grupo e outros trabalhos. Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud, vol. XVIII. Rio de Janeiro: Imago, 1998.
HISTÓRIA Geral de Angola. Argélia: Edições Afrontamento, 1965.
HOBSBAWM. Eric J. A era dos extremos. O breve século XX (1914-1991). São Paulo: Companhia das Letras, 1995. Instituto Paulo Freire, 2004. Disponível: . Acesso em 23/10/2020.
LABAN, Michel (et al). Luandino: José Luandino Vieira e sua obra. Lisboa: Edições 70, 1980.
MACHADO, Álvaro Manuel; PAGEAUX, Daniel-Henri. Da literatura comparada à teoria da literatura. 2. ed. Lisboa: Presença, 2001.
MARTINS, J. P de Oliveira. O Brasil e as colônias portuguesas. 5ªed. Lisboa: Livraria Editora ZAMPARONI, 1920.
MAZULA, Brazão. Moçambique: Eleições, Democracia e Desenvolvimento. Maputo: Inter-África Group, 1995.
MENESES, Filipe Ribeiro (2011). Salazar: biografia definitiva. São Paulo: Leya, 2011.
PINTO, António Costa (1989). O salazarismo e o fascismo europeu. In: ROSAS, Fernando: BRITO, J. M. Brandão de. Salazar e o salazarismo. Lisboa: Publicações Dom Quixote.
ROSAS, Fernando: BRITO, J. M. Brandão de. Salazar e o salazarismo. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1989.
SALGUEIRO, Wilberth. O que é literatura de testemunho: considerações em torno de Graciliano Ramos, Alex Polari e André DuRap. Matraga, Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ. Rio de Janeiro, UERJ, v. 19, n. 31, jul./dez. 2012, p. 284-303.
SARMENTO-PANTOJA, Tânia. (org.). Arte como provocação à memória. Curitiba: CRV, 2014.
SELIGMANN-SILVA, M. Testemunho da Shoah e literatura. Revista Eletrônica Rumo à tolerância. FFLCH-IEL-UNICAMP, 2008, p. 16. Disponível em: . Acesso em: 10/10/2020.
SELIGMANN-SILVA, Marcio. (org.). História, memória, literatura: o Testemunho na Era das Catástrofes. Campinas: Editora da UNICAMP, 2003.
SELIGMANN-SILVA, Márcio. “Zeugnis” e “Testimonio”: um caso de intraduzibilidade entre conceitos. Pandaemonium germanicium, 06/2002. p. 67-83
SELIGMANN-SILVA, Márcio. História, memória e Literatura: O testemunho na era das catástrofes. Campinas: Unicamp, 2003.
SELIGMANN-SILVA, Márcio. Narrar o Trauma: A questão dos testemunhos de catástrofes históricas. psic. clin., rio de janeiro, VOL.20, N.1, P.65 – 82, 2008.
SELIGMANN-SILVA, Márcio. O Local do Testemunho. Revista do programa de pós graduação em História. Florianópolis, v. 2, n. 1, p. 3 – 20, jan. / jun. 2010.
SELIGMANN-SILVA, Márcio. O lugar do testemunho. meta102_01a204_Meta9 5/25/10 3:58 PM, 2008.
SELIGMANN-SILVA, Marcio. Testemunho e a política da memória :o tempo depois das catástrofes. Revista Projeto. História. Volume 30, jun 2005. p. 71-98. Disponível em: Acesso em: 20/10/2020.
VIEIRA, José Luandino. Vidas Novas. 3.ed. Lisboa: edições 70, 1997.
VILELA, Eugénia. Do testemunho. Revista de Filosofia Princípios. Natal (RN), v. 19, n.31 janeiro/junho de 2012, p. 141-179.
VISENTINI, Paulo G. Fagundes. As revoluções africanas: Angola, Moçambique e Etiópia. São Paulo: Editora UNESP, 2012.
WHEELER, Douglas, PÉLISSIER, René. História de Angola. Lisboa: Tinta-dachina, 2009.
Publicado
2021-01-31
Seção
Dossiê Memórias de Guerra