Chamadas para Dossiês: Dossiê Novos sujeitos, novos direitos e cidadania: pluralismos e perspectivas do Sul

A partir da demanda por direitos no XX, vários sujeitos, excluídos historicamente do acesso à direitos, ganharam status nas Constituições dos seus países. Assim, negros, mulheres, indígenas, quilombolas, juventude, religiões de matriz africana, pessoas com deficiência, idosos e LGTQI conseguiram resguardar alguns direitos. Mas, estes não são sujeitos homogêneos apesar de terem o viés de luta por direitos, cada um possui suas peculiaridades. Pensar nesses sujeitos a partir do Sul é diferente de pensar a partir das perspectivas do norte, portanto, as teorias hegemônicas não são suficientes ou não são adequadas para analisar os fenômenos que decorrem dos sujeitos citados.

Os problemas enfrentados pelas populações historicamente excluídas são de toda ordem, desde o ínfimo acesso à saúde, a educação de baixa qualidade, moradia precária, violação de direitos como o acesso à terra, a livre utilização do corpo, etc. Há vários autores que não são estudados com frequência, mas que analisam de forma profunda os novos sujeitos, isto deriva do racismo epistêmico, que deixa de fora os(as) autores(as) que não estão localizados nos grandes centros da academia mundial, ou que, a partir da sua cor, orientação sexual, etc, são segregados do mundo acadêmico. Porém, é a partir da linguagem e dos estudos de autores do Sul que é possível analisar com maior fidedignidade os novos sujeitos, posto que, eles não estão falando de fora, dos gabinetes, muitas vezes é o próprio sujeito falando sobre si.

Portanto, o dossiê Novos sujeitos, novos direitos e cidadania: perspectivas do Sul, propõe-se a estimular a elaboração de análises que reflitam sobre os novos sujeitos e novos direitos a partir de autores, epistemologias e debates do Sul. Ademais, é necessário pensar: a garantia de novos direitos resultou em efetivação da cidadania para os novos sujeitos? O dossiê acolherá estudos inéditos, preferencialmente derivados de pesquisas empíricas, que realizem o diálogo entre a Ciência Política, a Sociologia, a História, o Direito e outras áreas afins, em especial, mas não exclusivamente, pesquisas com base em estudos feministas, outras economias, relações étnico-raciais e estudos indígenas. Serão aceitos textos originais em português, inglês e espanhol.

As propostas poderão ser enviadas até o 21/04/2019 através do sistema da revista. Clique aqui para iniciar sua submissão.