Da filosofia do espírito como filosofia da liberdade enquanto abertura ao debate religioso na América Latina caribenha

  • Edivaldo José Bortoleto Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ - Chapecó - SC
Palavras-chave: Filosofia da Liberdade, Filosofia do Espírito, Filosofia da Educação, Filosofia da Religião, Filosofia da Libertação, Teologia da Libertação

Resumo

A formulação filosófica de Farias Brito no Brasil e Francisco Romero na Argentina, entre os séculos XIX e XX
toca os mesmos temas: consciência, liberdade e existência. Ambos estão na América Latina Caribenha onde a
atmosfera do pensamento hegemônico do Positivismo se impõe em oposição a uma tradição vinda da Segunda
Escolástica Ibérica, da Monarquia e da Religião instituída. Também, ambos, influenciados por uma tradição
alemã - Brito por Kant e Schopenhauer e Romero por Husserl, Scheler e Hartmann – formulam o que pode ser
chamado de Filosofia do Espírito enquanto Filosofia da Liberdade. Se até o século XIX, o tema da religião foi
elaborado pela Escolástica tanto hispânica quanto lusa, com o advento do Positivismo, a Religião estabelecida
entra em seu processo de problematização, juntamente com o regime político. No entanto, será com a presença
do pensamento germânico na cultura latino-americana que o tema será recolocado, só que agora em um ambiente
laico, marcado pelos valores do Positivismo e da República. A hipótese deste trabalho é que a formulação da
Filosofia do Espírito enquanto Filosofia da Liberdade, formulada por Farias Brito e Francisco Romero,
constituem-se as bases no Continente Latino Americano Caribenho para a formulação de uma Filosofia da
Religião em perspectiva, agora, não mais escolástica, mas germânica. O trabalho se move no âmbito da pesquisa
teórica e em diálogo com as questões étnicas e históricas constitutivas do Continente Latino Americano
Caribenho e, ao mesmo tempo, procura nexos com a Filosofia da Libertação, com a Teologia da Libertação e
com a Pedagogia da Libertação.

 

Biografia do Autor

Edivaldo José Bortoleto, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ - Chapecó - SC

Graduado em Filosofia Pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas. 

Mestrado em Filosofia da Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba.

Doutorado em Comunicação e Semiótica Pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Doutorado em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba.

Pos-Doutorando em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Referências

ACERBONI, Lidia. A Filosofia Contemporânea no Brasil. São Paulo: Editorial Grijalbo Ltda., 1969.

ARGUEDAS, José Maria. Os Rios Profundos. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

BARROS, Roque Spencer Maciel de. A Ilustração Brasileira e a Ideia de Universidade. São Paulo: Convívio: Editora da Universidade de São Paulo, 1986.

BÍBLIA DE JERUSALÉM. Nova edição, revista e ampliada. 3ª. Impressão. São Paulo: Paulus, 2004.

CERUTTI GULDBERG, Horácio Victorio. Filosofía de la Liberation Latino Americana. México, D.F.: Tierra Firme, 1983.

DICIONÁRIO DE FILOSOFIA con Autores y Temas Latino Americanos. Bogotá: Editorial El Buho, 1986.

DUSSEL, Enrique/MENDIETA, Eduardo/BOHÓRQUEZ, Carmen (Editores). El Pensamiento filosófico latinoamericano, del Caribe y “latino” [1300-2000]: Historia/Corrientes/Temas/Filósofos. México: Editora XXI, 2011.

DUSSEL, Enrique. Filosofía de la Liberación. Buenos Aires: Asociación Ediciones La Aurora, 1985.

DUSSEL, Enrique. Filosofia da Libertação na América Latina. São Paulo: Edições Loyola: Piracicaba: Editora UNIMEP: S/D.

DUSSEL, Enrique. Historia General de la Iglesia en America Latina. Tomo I/1. Introducción General a la Historia de la Iglesia en America Latina. Salamanca. CEHILA: Ediciones Sígueme, 1983.

FARIAS BRITO, Raimundo de. Finalidade do Mundo – Estudos de Filosofia e Teleologia Naturalista – 1º. Volume. 2ª. Edição. Rio de Janeiro: Revista dos Tribunais Ltda.: Instituto Nacional do Livro, 1957.

FRANCA, Leonel S.J.. Noções de História da Filosofia. 23ª. Edição. Livraria Agir Editora, 1987.

FREYRE, Gilberto. Ordem e Progresso: Processo de Desintegração das Sociedades Patriarcal e Semipatriarcal no Brasil sob o Regime de Trabalho Livre: Aspectos de um Quase Meio Século de Transição do Trabalho Escravo para o Trabalho Livre; e da Monarquia para a República. 5ª. Ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 2000.

FREYRE, Gilberto. Perfil de Euclides e outros perfis. 2ª. Edição aumentada. São Paulo: Record, 1987.

GUY, Alain. Panorama de la Filosofía Iberoamericana: Desde el Siglo XVI hasta nuestros dias. Maracaíbo, Venezuela: Universidade Católica Cecílio Acosta: Ediciones Astro Data, S.A., 2002.

GUIMARÃES, Aquiles Côrtes. O tema da Consciência na Filosofia Brasileira. São Paulo: Editora Convívio, 1982.

KANT, Immanuel. LOGIK - WERKE – Band III. Deutschland: WBG, Vissen Verbindet: 2011.

MORA, José Ferrater. Dicionário de Filosofia. Tomo IV. São Paulo: Edições Loyola, 2001.

MORENO, César Fernández. América Latina em sua Literatura. São Paulo: UNESCO: Editora Perspectiva, 1972.

NOGUEIRA, Alcântara. Farias Brito e a Filosofia do Espírito. Rio de Janeiro/São Paulo: Livraria Freitas Bastos S/A. 1962.

PAIM, Antonio. O Estudo do Pensamento Filosófico Brasileiro. 2ª. Edição revista e ampliada. São Paulo: Editora Convívio, 1986.

PLANT, Raymond. HEGEL. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

RABELLO, Sylvio. Farias Brito ou Uma Aventura do Espírito. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1967.

ROMERO, Francisco. Filosofía Contemporánea: Estudios y Notas. 3ª. Edición. Buenos Aires: Editorial Losada, S.A., 1953

SALAZAR BONDY, Augusto. Existe una Filosofía de nuestra América? 11a. Edición. México: Siglo Veintiuno Editores, 1988.

SÁNCHEZ, María Cecilia. Institucionalización de la Filosofía. IN: Boletín de FILOSOFIA. Universidad Católica Blas Cañas. No. 9/1997-1998/Volume 3.

VITA, Luís Washington. Momentos Decisivos do Pensamento Filosófico. São Paulo: Edições Melhoramentos, 1964.

VITA, Luís Washington. Compêndio de Filosofia. 2ª. Edição. São Paulo: Edições Melhoramentos,1955.

ZEA, Leopoldo. (Coordinación e introducción). América Latina en sus Ideas. México: UNESCO: Siglo Veintiuno Editores, 1986.

Publicado
2019-07-01
Seção
Dossiê: Colonialidades do crer, do saber e do sentir - implicações epistemológicas nos estudos da religião