Mulheres negras do Sul Catarinense

os sentidos atribuidos a suas vivências de escolarização

Resumo

Esta pesquisa buscou conhecer os sentidos subjetivos atribuídos ao processo de
escolarização por mulheres negras no sul catarinense. Em meio as questões étnico-raciais e de
gênero, a busca pela igualdade surge como temática, sobretudo em espaços educativos, como
escolas e universidades. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de cunho exploratório. Nesta
pesquisa foram entrevistadas dez mulheres negras de uma associação relacionada ao
movimento negro da cidade pesquisada. Como resultados, as entrevistadas relataram ter
vivenciado o preconceito na escola e na comunidade, além de dificuldades em dar
continuidade aos estudos por conta da baixa renda familiar. Ao mesmo tempo, apontaram a
importância da escolarização em suas histórias de vidas, sobretudo, como via de ascensão
social.

Palavras-chave: Gênero; Raça; Educação.

Biografia do Autor

Gabriela Pereira Vidal, Centro Universitário Barriga Verde

Graduada em Psicologia no Centro Universitário Barriga Verde - UNIBAVE em Orleans/SC em 2018. Cursando a Formação e Especialização em Psicodrama nível 1 na Viver Psicologia em Tubarão/SC.

Fernanda Zanette de Oliveira, Centro Universitário Barriga Verde

Possui graduação em Psicologia pela Universidade do Extremo Sul Catarinense (2012) e mestrado em Desenvolvimento Socioeconômico pela Universidade do Extremo Sul Catarinense (2016). Atualmente é professora titular das disciplinas de Gestalt, Processos Grupais, Psicologia Educacional I e Supervisão Estágio Específico na área da Saúde, no curso de Psicologia do Centro Universitário Barriga Verde - Unibave. É assessora do Núcleo de Apoio à Acessibilidade do Centro Universitário Barriga Verde ? Unibave. Atua como Psicóloga Clínica e cursa a Formação Plena em Gestalt-Terapia pelo Comunidade Gestáltica (Florianópolis).

Janaina Damasio Vitorio, Universidade do Extremo Sul Catarinense

Mestra em Desenvolvimento Socioeconômico, pelo programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Socieconômico pela Universidade do Extremo Sul Catarinense (2017). Graduação em Psicologia pela Universidade do Extremo Sul Catarinense (2007). Especialização em Psicologia da Educação pela ESUCRI. Atualmente é coordenadora da Secretaria de Diversidade e Políticas de Ações Afirmativas da Universidade do Extremo Sul Catarinense. Membro do NEAB - Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros, Indígenas e Minorias da Universidade do Extremo Sul Catarinense. Membro do Grupo de Pesquisa em Direitos Humanos, Relações Raciais e Feminismo[s]/ UNESC. Vice-Presidente do CODEC - Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Criciúma. Membro da ONG de Mulheres Negras Professora Maura Martins Vivência MUNMVI. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: diversidades, mediação de conflitos, inclusão, políticas e universidade.

Fabia Alberton da Silva Galvane, Centro Universitário Barriga Verde

Possui graduação em psicologia - UNIBAVE (2010). Pós- Graduada em Gestão estratégica de Pessoas pela Faculdade Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial- SENAC (2012). Mestrado em Desenvolvimento Socioeconômico pelo Programa de Pós-graduação da Universidade do Extremo Sul Catarinense -PPGDS/UNESC (2014-2016). Professora de ensino superior no Centro Universitário Barriga Verde - UNIBAVE, nos cursos de Engenharia de Produção, Engenharia Civil e Técnico em Logística - Disciplina de Gestão Estratégica de Pessoas. E, professora, na mesma instituição, no curso de Psicologia- Disciplinas de Fundamentos epistemológicos da psicologia, Psicoterapia Breve, Psicanálise e de Psicologia ambiental nos cursos de Psicologia e Engenharia ambiental e sanitária na mesma instituição.

Referências

ALVES, Branca Moreira; PITANGUY, Jaqueline. O que é feminismo. São Paulo: Brasiliense,

BARRETO, Raquel de Andrade. Enegrecendo o Feminismo ou Feminizando a Raça:

Narrativas de Libertação em Angela Davis e Lélia González. Mestrado em História

(Dissertação). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. 128 p.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo: fatos e mitos. 4 ed. São Paulo: Difusão Européia do Livro,

BEAUVOIR, S. O segundo sexo: a experiência vivida. 2 ed. São Paulo: Difusão Européia do

Livro, 1967.

BENTO, Maria Aparecida Silva. Branquitude: o lado oculto do discurso sobre o negro. In:

CARONE, Iray; BENTO, Maria Aparecida Silva (Orgs). Psicologia social do racismo, 2 ed.

Petrópolis: Voezes. 2003, p. 147-162.

BENTO, Maria Aparecida Silva. Branqueamento e branquitude no Brasil. In: CARONE, Iray;

BENTO, Maria Aparecida Silva (Orgs). Psicologia social do racismo, 2 ed. Petrópolis:

Voezes. 2003, p. 25-58.

CARNEIRO, Aparecida Suelaine. Mulheres e educação: gênero, raça e identidades. Tese

(Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação, da Universidade

Federal de São Carlos. Sorocaba. 181 p. 2015.

CFP, Conselho Federal de Psicologia. Relações Raciais: Referências Técnicas para atuação

de psicólogas/os. Brasília: CFP, 2017. 147 p. Disponível em: <https://site.cfp.org.br/wp-

content/uploads/2017/09/relacoes_raciais_baixa.pdf>. Acesso em: 28 out. 2018.

CORDEIRO, Ana Luisa Alves. Ações afirmativas na educação superior: mulheres negras

cotistas e mobilidade social. Revista Pedagógica, v. 15, n. 30, p. 297-314, 2013.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da

discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n.

, p. 171, jan. 2002. ISSN 1806-9584. Disponível em:

<https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2002000100011/8774&gt;.

Acesso em: 29 abr. 2018.

CRISOSTOMO, Maria Aparecida dos Santos; REIGOTA, Marcos Antonio dos Santos.

Professoras universitárias negras: trajetórias e narrativas. Avaliação (Campinas), Sorocaba,

v. 15, n. 2, p. 93-106, July 2010 . Disponível em

<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-

&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 04 abr. 2018.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Boitempo Editorial, 2016.

FELIPE, Delton Aparecido; TERUYA, Teresa Kazuko; TEIXEIRA, Filomena.

Doutorado Sanduíche: outras possibilidades de olhar a relação educação escolar,

negritude e narrativas midiáticas. Quaestio, Sorocaba, SP, v. 17, n. 1, p. 121-139,

maio 2015.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. Editora Atlas SA, 2008.

GONÇALVES FILHO, J. M. (2004). A invisibilidade pública (prefácio). In DA COSTA, F.

B. Homens invisíveis – relatos de uma humilhação social (p. 1-27). São Paulo: Globo,

GONZÁLEZ REY, Fernando Luis. Pesquisa Qualitativa em Psicologia: caminhos e desafios.

Thomson Learning Editores, 2002.

______. Sujeito e subjetividade: uma aproximação histórico-cultural. São Paulo, SP: Pioneira

Thomson Learning, 2005.

HENRIQUES, Cibele da Silva. Do trabalho doméstico à educação superior: a luta das

mulheres trabalhadoras negras pelo direito à educação superior. O Social em Questão, Rio de

Janeiro, RJ, nº 37, p. 153-172, Jan. a Abr. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Sistema de

Recuperação automática – SIDRA. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/home/pnadcm&gt;.

Acesso em: 28 out. 2018.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Retrato das

desigualdades de gênero e raça. Disponível em:

<http://www.ipea.gov.br/retrato/indicadores.html&gt; Acesso em 25 abr. 2018.

JONES, Claudia. Um fim à negligência em relação aos problemas da mulher negra!. Rev.

Estud. Fem., Florianópolis , v. 25, n. 3, p. 1001-1016, Dec. 2017 . Disponível em:

<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-

X2017000301001&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 22 out. de 2018.

KILOMBA, Grada. Plantation Memories: Episodes of Everyday Racism. Münster: Unrast

Verlag, 2012. Disponível em: <https://schwarzemilch.files.wordpress.com/2012/05/kilomba-

grada_2010_plantation-memories.pdf>. Acesso em: 08 dez. 2018.

LEITE, Ilka Boaventura (Org.). Negros no Sul do Brasil: invisibilidade e territorialidade.

Letras Contemporâneas, 1996.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, história e educação: construção e desconstrução. Educação

& Realidade, v. 20, n. 2, p. 101-132, jul./dez. 1995.

MENEZES, Waléria. O preconceito racial e suas repercussões na instituição escola.

Cadernos de estudos sociais, v. 19, n. 1, 2003. Disponível em:

<https://periodicos.fundaj.gov.br/CAD/article/view/1311/0&gt;. Acesso em: 08 dez. 2018.

MOORE, Henrietta L. Fantasias de poder e fantasias de identidade: gênero, raça e violência.

Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 14, p. 13-44, jun. 2000. Disponível em:

<https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8635341&gt;. Acesso em:

mar. 2018.

MUNANGA, Kabengele. Negritude: usos e sentidos. Editora Ática, 1996. Universidade do

Texas.

PEREIRA, Edilene Machado. Marias que venceram na vida: uma análise da

ascensão da mulher negra via escolarização em Salvador, BA. Revista África

e Africanidades, Rio de Janeiro, ano 2, n. 8, fev. 2010. Disponível em:

< https://tede2.pucsp.br/handle/handle/3938 >. Acesso em: 19 mai. 2018.

RAMOS, Lázaro. Na minha pele. Rio de Janeiro: Objetiva, 2017.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte – MG: Letramento: Justificando,

RIBEIRO, Djamila. Quem tem medo do feminismo negro? São Paulo: Companhia das Letras:

RIBEIRO, Matilde. Mulheres Negras Brasileiras de Bertioga a Beijing. Revista Estudos

Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 446, jan. 1995. ISSN 1806-9584. Disponível em:

<https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16459&gt;. Acesso em: 30 mar. 2018.

SAFFIOTI, Heleieth. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. São Paulo:

Expressão Popular, 2013.

SANTOS, Ivair Augusto Alves dos. Direitos humanos e as práticas de racismo. Brasília,

Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2013.

SANTOS, Jorge Christiano. Crimes de Preconceito e de Discriminação. Editora Saraiva,

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e

Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, jul./dez. 1995.

SILVA, J. et al. A promoção a igualdade racial em 2006 e o Programa de Combate ao

Racismo Institucional. In: JACCOUD, L. (Org.). A construção de uma política de

promoção da igualdade racial: uma análise dos últimos vinte anos. Brasília: Ipea, 2009.

p.147-70.

SILVA, Marcos Antonio Batista da. Relatos de uma mulher negra na pós-graduação:

Trajetória educacional. Itinerarius Reflectionis, [S.l.], v. 13, n. 1, p. 1- 19, mar. 2017. ISSN

-9342. Disponível em: <https://www.revistas.ufg.br/rir/article/view/40402&gt;. Acesso em:

abr. 2018.

SILVA, Tatiana Dias. Mulheres negras, pobreza e desigualdade de renda. Dossiê Mulheres

Negras, p. 109, 2013.

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro, ou, as vicissitudes da identidade do negro

brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFGM, 2010.

Publicado
2019-09-10
Seção
Dossiê: Novos sujeitos, novos direitos e cidadania: pluralismos e perspectivas do Sul