A REPRESENTAÇÃO SOCIAL DO TRABALHO SOB A PERSPECTIVA DE TRABALHADORES DO CORTE DE CANA

  • Luana Furtado Vilas Boas UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ
Palavras-chave: Trabalho – Trabalho Precário - Representação Social – Cortadores de Cana.

Resumo

O desenvolvimento e mudança das relações de trabalho permitiram um crescimento e diversidade em relação às suas formas.  Sendo assim, o trabalho precário tem aumentado consideravelmente. Diante do exposto, o presente estudo buscou analisar a representação social do trabalho sob a perspectiva de cortadores de cana. Uma abordagem qualitativa foi utilizada nesta pesquisa. Para tal objetivo, foram realizadas entrevistas com quatro trabalhadores deste setor e a análise do discurso foi adotada para a análise dos dados coletados. Por fim, foi possível concluir que para estes sujeitos, o trabalho é tido primeiramente como artifício de sobrevivência, seguido pela necessidade de possuir dignidade perante a sociedade, sendo tratado como mecanismo para obtenção de conquistas e realizações pessoais e por último visto como obrigação e sofrimento.

Biografia do Autor

Luana Furtado Vilas Boas, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ
Mestre em Administração pelo Programa de Pós Graduação em Administração da Universidade Estadual de Maringá (UEM), possuo MBA em Gestão de Pessoas pela UEM e sou graduada em Administração pela Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR).

Referências

BORGES, L. O.; YAMAMOTO, O. H. O mundo do trabalho. In: ZANELLI, J. C., ANDRADE-BORGES, J. E.; BASTOS, A. V. B. (Org.). Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2004.

CAMPOS, M.; SARAIVA, L. A. S. O trabalho, suas representações e sentidos: da demissão à recontratação de trabalhadores. Revista Economia & Gestão, v. 14, n. 36, p. 31-56, 2014.

GEHLEN, V. R. F; RAIMUNDO, V. J.; VASCONCELOS, R. C.; ALENCAR, M. M. C. M. O Trabalho precário e a saúde precarizada da mulher: uma abordagem sobre as condições sociais das trabalhadoras nas unidades domésticas de produção de confecções de vestuário e acessórios em Toritama-PE. Revista da RET, Rede de Estudos do Trabalho. Ano V – Número 9 – 2011.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. RAE - Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 57-63, mar./abr. 1995.

JODELET, D. Representações sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, D. (Org.). As representações sociais. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001. p.17-44.

JOVCHELOVITCH, S. Vivendo a vida com os outros: intersubjetividade, espaço público e representações sociais. In: GUARESCHI, Pedrinho; JOVCHELOVITCH, Sandra. Textos em representações sociais. Petrópolos: Vozes, 1998. P. 63-85.

KALLEBERG, A. L.. O crescimento do trabalho precário: um desafio global. Rev. bras. Ci. Soc. [online]. 2009, vol.24, n.69, p. 21-30. ISSN 1806-9053.

MOSCOVICI, S. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

MORIN, E. M. Os sentidos do trabalho. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 41, n. 3, p. 8-19, jul./set. 2001.

ORLANDI, E. P. Análise do discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, v. 7. 2007.

SILVA, A. L.; FREITAS, E. F.; Para além dos critérios econômicos do trabalho de baixa renda no Brasil. O&S. Salvador. v. 23, n. 76, p. 037-056, Jan./Mar. 2016

SPINK, Mary Jane. Desvendando as teorias implícitas: uma metodologia de análise das representações sociais. In: GUARESCHI, Pedrinho; JOVCHELOVITCH, Sandra. Textos em representações sociais. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 117-145.

SÁ, T. « “Precariedade” e “trabalho precário”: consequências sociais da precarização laboral », Configurações [Online], 7 | 2010, posto online no dia 18 Fevereiro 2012,Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2015.

Publicado
2017-07-31
Seção
Artigos