Base Nacional Comum Curricular:

Ensino e Aprendizagem da Educação Ambiental no campo da Educação Profissional e Tecnológica (EPT)

  • Raquel Fernanda Ghellar Canova Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha
  • Rosi Maria Prestes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - campus Santa Rosa
Palavras-chave: Base Nacional Comum Curricular. Educação Ambiental. Educação Profissional e Tecnológica.

Resumo

Este artigo traz à cena reflexões sobre a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e o Ensino e Aprendizagem da Educação Ambiental (EA) no campo da Educação Profissional e Tecnológica (EPT). O procedimento de investigação utilizado foi de base documental, com análise dos textos das políticas que a regulamentam e da inserção da EA na BNCC, com ênfase no ensino técnico e tecnológico. A BNCC, no que diz respeito à etapa Ensino Médio, dá autonomia às redes de ensino e às escolas. O jovem poderá optar por uma formação técnico-profissional, dentro da carga horária do Ensino Médio. Verificou-se que, na BNCC, a EA está na condição de “tema integrador”, prevalecendo a compartimentalização em disciplinas, com possível reinserção condicionada à autonomia das escolas. Neste contexto, a BNCC apresenta limitações que devem ser reconhecidas em relação à política pública que visa responder aos interesses de todos. No ensino técnico e tecnológico há esforços para integrar a EA em diversas atividades e a oportunidade de construir conhecimento, porém, o grande desafio é conseguir desenvolver a EA e ao mesmo tempo integrá-la com o máximo possível de disciplinas, considerando que o atual sistema educacional ainda reproduz o modelo tradicional de ensino. Para isto, pensando na mudança desta realidade, que a EA deve ser vista como forma de contribuir para que os técnicos formados sejam, além de bons profissionais, cidadãos críticos e conscientes do seu papel.

Biografia do Autor

Raquel Fernanda Ghellar Canova, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha

Mestre em Geografia - área de concentração Análise Ambiental e Dinâmica Espacial, pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM- 2015); Especialista em Gestão Ambiental com ênfase em Tratamento de Resíduos pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (2007); Bacharel em Química Industrial de Alimentos pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (2009) e Licenciada em Ciências-Habilitação Química pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (2003). Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - campus Santa Rosa, na área de Meio Ambiente e Análises Químicas Ambientais e atua também como Coordenadora Geral de Ensino. Tem experiência na área de Química, com ênfase em Química Ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: sustentabilidade; gerenciamento, minimização e tratamento de resíduos. Membro dos grupos de pesquisa Qualidade Ambiental - IF-Farroupilha e Grupo Interdisciplinar de Estudo e Pesquisa em Educação do Instituto Federal Farroupilha (GIEPE-IF Farroupilha) - IF Farroupilha.

Rosi Maria Prestes, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - campus Santa Rosa

Possui graduação em Ciências Biológicas pela URI – Campus de Frederico Westphalen RS, Especialização em Desenvolvimento Sustentável pela URI – Campus de Frederico Westphalen RS, e Mestrado em Ciências Ambientais pela UNOCHAPECÓ SC e doutorado em Educação nas Ciências pela UNIJUI RS. Atuou como docente na URI, na UCEFF e atualmente é professora substituta no IFFAR Campus de Santa Rosa. Atua como professora de Graduação e pós-graduação, pesquisadora, palestrante, assessora educacional e coaching.  Tem experiência nas seguintes áreas: Formação de professores, pedagogia de projetos, Pedagogia da cooperação, Educação Cooperativa, Trabalho por projetos, inteligência emocional, Responsabilidade social, educação financeira, Interdisciplinaridade, Liderança, metodologia do ensino superior, Biologia Geral, Ecologia, Educação ambiental, Avaliação de Impactos Ambientais, Gestão ambiental, terceiro setor, Licenciamento  Ambiental.

Referências

BÊZ, Marcelo. Inter-Ações para o desenvolvimento local: um estudo na comunidade Estação dos Ventos. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria/RS, 2013.

BRASIL. [Constituição (1988) ]. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 1990.

______. Base Nacional Comum Curricular/BNCC: educação é a base. Ministério da Educação: Governo Federal, 2018. Disponível em: . Acesso em: 24 jun. 2020

______. Decreto n. 7.566, de 23 de setembro de 1909. Crêa nas capitaes dos Estados da Republica Escolas de Aprendizes Artifices, para o ensino profissional primario e gratuito. Diário Oficial da União (DOU), n. 6975. Rio de Janeiro/RJ, 1909. Disponível em: Acesso em: 02 maio 2014.

______. Lei n. 11.741, de 16 de julho de 2008. Altera dispositivos da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para redimensionar, institucionalizar e integrar as ações da educação profissional técnica de nível médio, da educação de jovens e adultos e da educação profissional e tecnológica. Diário Oficial da União (DOU), Seção 1, p. 5, 2008a. Disponível em: . Acesso em: 26 jan. 2015.

______. Lei n. 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Diário Oficial da União (DOU), p. 1, col. 1, 2008b. Disponível em: Acesso em: 26 out. 2014.

______. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União (DOU), 23 dez. 1996. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2014.

______. Lei n. 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a EA, institui a Política Nacional de EA e dá outras providências. Diário Oficial da União (DOU), 28 abr. 1999. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2014.

______. Parâmetros Curriculares Nacionais: meio ambiente. Brasília/DF: Secretaria de Educação Fundamental, 1997. Disponível em: . Acesso em: 17 jan. 2015.

______. Resolução n. 2, de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Brasília/DF: Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação, 2012. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2020.

DIAS, Genebaldo Freire. Iniciação à temática ambiental. São Paulo: Gaia, 2002.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 27ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GADOTTI, Moacir. Perspectivas atuais da educação. São Paulo em Perspectiva. São Paulo, v. 14, n. 2, abr./jun. 2000. Disponível em: . Acesso em: 16 maio 2013.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projeto de pesquisa. 6ed. São Paulo: Atlas, 2017.

LEFF, Enrique. Saber ambiental: Sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Traduzido por Lúcia Mathilde Endlich Orth. 7ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2009.

LIMA, Marco Ricardo de. PRONATEC-programa nacional de acesso ao ensino técnico e emprego: uma crítica na perspectiva Marxista. Revista Estudos do Trabalho. Marília/SP, ano v, n. 11, 2012. Disponível em: . Acesso em: 26 jan. 2015.

MELLER, Cleria Bitencorte. Tecer, lançar e recolher redes de saberes ambientais de atores sociais que se envolvem com a suinocultura. Tese (Doutorado em Educação). Universidade do Vale do Rio dos Sinos. São Leopoldo/RS, 2007.

MORADILLO, Edilson Fortuna de; OKI, Maria da Conceição Marinho. EA na universidade: construindo possibilidade. Química Nova. São Paulo, v. 27, n. 2, mar./abr. 2004. Disponível em: Acesso em: 29 de set. 2012.

MORIN, Edgar. Da necessidade de um pensamento complexo. In: MARTINS, Francisco Menezes; SILVA, Juremir Machado da (Org.). Para navegar no século XXI: Tecnologias do Imaginário e Cibercultura. 3ed. Porto Alegre: Sulina/Edipucrs, 2003. Disponível em: . Acesso em: 17 maio 2013.

______. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução de: SILVA, Catarina; SAWAYA, Jeanne. 2ed. São Paulo: Cortez; Brasília/DF: UNESCO, 2000.

NASCIMENTO, Maria Isabel Moura. SBARDELOTTO, Denise Kloeckner. A Escola Unitária: educação e trabalho em Gramsci. Revista HISTEDBR On-line. Campinas, n. 30, p. 275-291, jun. 2008. Disponível em: . Acesso em 19 Abr. 2015.

NOVO, María. El Desarrollo Sostenible: Su Dimensión Ambiental y Educativa. Madrid (España): Pearson Educación, 2006.

PEDRINI, Alexandre de Gusmão. Introdução. In: PEDRINI, Alexandre de Gusmão (Org.). Educação Ambiental: reflexões e práticas contemporâneas. 8ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2011.

RIO GRANDE DO SUL. Lei n. 13.597, de 30 de dezembro de 2010. Dá nova redação à Lei n. 11.730, de 9 de janeiro de 2002, que dispõe sobre a EA, institui a Política Estadual de EA, cria o Programa Estadual de EA, e complementa a Lei Federal n. 9.795, de 27 de abril de 1999, no Estado do Rio Grande do Sul, regulamentada pelo Decreto Federal n. 4.281, de 25 de junho de 2002. Disponível em . Acesso em: 26 out. 2014.

SACRISTÁN, José Gimeno. Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 2013. 542p.

SANTOMÉ, Jurjo Torres. Globalização e interdisciplinaridade: o currículo Integrado. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma Introdução às Teorias de Currículo. 3ed. Belo Horizonte: Editora Autêntica. 2015.
Publicado
2020-12-19
Como Citar
CANOVA, R. F. G.; PRESTES, R. M. Base Nacional Comum Curricular: . Revista Labor, v. 2, n. 24, p. 65-86, 19 dez. 2020.
Seção
Dossiê