AS FORMAS DA SOCIOLOGIA DO DIREITO: UMA REDESCRIÇÃO LUHMANNIANA DO DEBATE CENTENÁRIO ENTRE KELSEN E EHRLICH

  • Lucas Fucci Amato Universidade de São Paulo (USP)
Palavras-chave: Sociologia do direito. Ciência do direito. Eugen Ehrlich. Hans Kelsen. Niklas Luhmann.

Resumo

O debate travado entre Eugen Ehrlich e Hans Kelsen entre 1915 e 1917 na revista Archiv für Sozialwissenschaft und Sozialpolitik (Arquivos para a ciência social e a política social) continua a iluminar os problemas de constituição da sociologia do direito. Na ocasião, um lado defendia uma ciência do direito empirista, preocupada em observar os “fatos do direito”; o outro, uma ciência que partisse da norma jurídica para interpretar as relações de validade no plano do “dever-ser”. A teoria dos sistemas de Niklas Luhmann fornece conceitos capazes de redescrever os termos desse debate. Desvincula a ideia de forma de qualquer referência estrutural (à norma ou ao ordenamento), propondo que as formas jurídicas são as indicações realizadas no meio de sentido próprio do direito, isto é, distinções sobre a validade. Em lugar de uma definição do direito pela estrutura, propõe uma definição funcional. Integra no sistema jurídico, como sistema social, tanto “fontes” estatais quanto societais, tanto o “direito vivo” quanto o direito das cortes, distribuindo os programas de decisão do direito e suas organizações entre o centro e a periferia do sistema.

Biografia do Autor

Lucas Fucci Amato, Universidade de São Paulo (USP)
Doutorando em Filosofia e Teoria Geral do Direito na Universidade de São Paulo (USP). Visiting Researcher na Harvard Law School.

Referências

BOHANNAN, Paul. A categoria injô na sociedade Tiv. In: DAVIS, Shelton H. (Org.). Antropologia do direito: estudo comparative de categorias de dívida e contrato. Tradução de Neide Esterci e Lygia Sigaud. Rio de Janeiro: Zahar, 1974 [1957]. pp. 57-69.

BOURDIEU, Pierre. La force du droit: éléments pour une sociologie du champ juridique. Actes de la recherche en sciences sociales, Paris, vol. 64, n. 1, pp. 3-19, 1986.

CAMPILONGO, Celso Fernandes. Interpretação do direito e movimentos sociais. Rio de Janeiro: Campus Elsevier, 2012.

______. Teoria do direito e globalização econômica. In: ______. O direito na sociedade complexa. 2 ed. São Paulo: Saraiva, 2011. pp. 137-151.

COTTERRELL, Roger. Ehrlich at the edge of empires: centres and peripheries in legal studies. In: HERTOGH, Marc (Ed.). Living law: reconsidering Eugen Ehrlich. Oxford: Hart, 2009. pp. 75-94.

DE GIORGI, Raffaele. Ciencia del derecho y legitimación. Mexico: Universidad Iberoamericana, 1998 [1981].

DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico. Tradução de Paulo Neves. 3 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007 [1895].

EHRLICH, Eugen. Rettifica. In: EHRLICH, Eugen; KELSEN, Hans; WEBER, Max. Verso un concetto sociologico di diritto. Tradução de Alberto Febbrajo. Milano: Giuffrè, 2010 [1916]. pp. 51-58.

______. Replica. In: EHRLICH, Eugen; KELSEN, Hans; WEBER, Max. Verso un concetto sociologico di diritto. Tradução de Alberto Febbrajo. Milano: Giuffrè, 2010 [1916-1917]. pp. 65-66.

______. Fundamental principles of the sociology of law. Tradução de Walter L. Moll. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1936 [1913].

______. The sociology of law. Tradução de Nathan Isaacs. Harvard Law Review, Cambridge, MA, vol. 36, n. 2, pp. 130-145, 1922.

______. Judicial freedom of decision: its principles and objects. In: SCIENCE of legal method. Tradução de Ernest Bruncken e Layton B. Register. Boston: The Boston Book Company, 1917 [1903]. pp. 48-84.

______. Montesquieu and sociological jurisprudence. Harvard Law Review, Cambridge, MA, vol. 29, n. 6, pp. 582-600, 1916.

GLUCKMAN, Max. Obrigação e dívida. In: DAVIS, Shelton H. (Org.). Antropologia do direito: estudo comparative de categorias de dívida e contrato. Tradução de Neide Esterci e Lygia Sigaud. Rio de Janeiro: Zahar, 1974 [1965]. pp. 25-56.

HÄBERLE, Peter. Hermenêutica constitucional: a sociedade aberta dos intérpretes da constituição: contribuição para a interpretação pluralista e “procedimental” da constituição. Tradução de Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: Fabris, 2002 [1975].

HART, Herbert L. A. O conceito de direito. Tradução de A. Ribeiro Mendes. 5 ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2007 [1961].

HERSHOVITZ, Scott. Wittgenstein on rules: the phantom menace. Oxford Journal of Legal Studies, Oxford, vol. 22, n. 4, pp. 619-640, 2002.

HESSE, Mary B. Models and analogies in science. Notre Dame: University of Notre Dame Press, 1966

HOLMES, JR., Oliver Wendell. The path of the law. Harvard Law Review, Cambridge, MA, vol. 10, 1897.

GONÇALVES, Guilherme Leite. Direito entre certeza e incerteza: horizontes críticos para a teoria dos sistemas. São Paulo: Saraiva, 2013.

KELSEN, Hans. Una «fondazione» della sociologia del diritto. In: EHRLICH, Eugen; KELSEN, Hans; WEBER, Max. Verso un concetto sociologico di diritto. Tradução de Alberto Febbrajo. Milano: Giuffrè, 2010 [1915]. pp. 3-63.

______. Replica. In: EHRLICH, Eugen; KELSEN, Hans; WEBER, Max. Verso un concetto sociologico di diritto. Tradução de Alberto Febbrajo. Milano: Giuffrè, 2010 [1916]. pp. 59-63.

______. Teoria pura do direito. Tradução de João Baptista Machado. 7 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006 [1960].

______. On the borders between legal and sociological method. In: JACOBSON, Arthur J.; SCHLINK, Bernhard (Eds.). Weimar: a jurisprudence of crisis. Berkeley: University of California Press, 2000 [1911]. pp. 57-63.

______. Legal formalism and the pure theory of law. In: JACOBSON, Arthur J.; SCHLINK, Bernhard (Eds.). Weimar: a jurisprudence of crisis. Berkeley: University of California Press, 2000 [1929]. pp. 76-83.

______. General theory of law and State. Tradução de Anders Wedberg. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1949 [1945].

LUHMANN, Niklas. Theory of society I. Tradução de Rhodes Barrett. Stanford: Stanford University Press, 2012 [1997].

______. Los derechos fundamentales como institución: aportación a la sociología política. Mexico: Universidad Iberoamericana, 2010 [1965].

______. Iluminismo sociológico. Tradução de Arthur Mourão. In: SANTOS, José Manuel (Org.). O pensamento de Niklas Luhmann. Covilhã: Universidade da Beira Interior, 2005 [1967]. pp. 19-70.

______. Law as a social system. Tradução de Klaus A. Ziegert. Oxford: Oxford University Press, 2004 [1993].

______. La restitution du douzième chameau: du sens d'une analyse sociologique du droit. Tradução de Jean Clam. Droit et Société, Paris, vol. 1, n. 47, pp. 15-73, 2001 [2000].

______. Essays on self-reference. New York: Columbia University Press, 1990.

______. Social systems. Tradução de John Bednarz, Jr. e Dirk Baecker. Palo Alto: Stanford University, 1995 [1984].

______. Sociologia do direito I. Tradução de Gustavo Bayer. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1983.

NELSEN, David. Ehrlich's legacies: back to the future in the sociology of law? In: HERTOGH, Marc (Ed.). Living law: reconsidering Eugen Ehrlich. Oxford: Hart, 2009. pp. 237-272.

NEVES, Marcelo. Do pluralismo jurídico à miscelânea social: o problema da falta de identidade da(s) esfera(s) de juridicidade na modernidade periférica e suas implicações na América Latina. Revista Direito em Debate, Ijuí, vol. 4, n. 5, pp. 7-37, 1995.

ROMANO, Santi. O ordenamento jurídico. Tradução de Arno Dal Ri Júnior. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2008 [1918].

TAMANAHA, Brian Z. A vision of social-legal change: recuing Ehrlich from ‘living law’. Legal Studies Research Paper Series, n. 10-10-05. St. Louis: Washington University School of Law, 2010.

TEUBNER, Gunther. A Bukowina global sobre a emergência de um pluralismo jurídico transnacional. Tradução de Peter Naumann. Impulso, Piracicaba, vol. 14, n. 33, pp. 9-31, 2003.

______. O direito como sistema autopoiético? In: ______. O direito como sistema autopoiético. Tradução de José Engracia Antunes. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1994 [1989]. pp. 53-94.

TREVES, Renato. Sociologia del diritto e sociologia dell’idea di giustizia nel pensiero di Kelsen. In: PAULSON, Stanley L. (Org.). Formalismo giuridico e realtà sociale. Napoli: Edizioni Scientifiche Italiane, 1992. pp. 161-177.

VILLAS BÔAS FILHO, Orlando. A sociologia do direito: o contraste entre a obra de Émile Durkheim e a de Niklas Luhmann. Revista da Faculdade de Direito [da USP], São Paulo, vol. 105, pp. 561-593, 2010.

WEBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva I. Tradução de Regis Barbosa e Karen Elsabe Barbosa. 4 ed. Brasília: Editora UnB, 2000 [1922].

______. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva II. Tradução de Regis Barbosa e Karen Elsabe Barbosa. Brasília: Editora UnB, 1999 [1922].

Publicado
2016-02-20
Seção
Doutrina Nacional