Vulnerabilidade da gravidez de alto risco na percepção de gestantes e familiares

Palavras-chave: Gestantes; Cuidado Pré-Natal; Gravidez de Alto Risco; Família; Vulnerabilidade em Saúde.

Resumo

Objetivo: descrever a percepção de gestantes e familiares sobre a condição de vulnerabilidade de uma gravidez de alto risco. Métodos: pesquisa qualitativa realizada com oito gestantes e dez familiares. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas, audiogravadas, que após transcritas, foram submetidas à análise de conteúdo, modalidade temática proposta por Bardin. Resultados: emergiram três categorias: Vivências do familiar e da gestante frente ao diagnóstico de uma gravidez de risco; A família como eixo estruturante do cuidado em uma gestação de alto risco; e a Invisibilidade do familiar no acompanhamento pré-natal. Conclusão: tanto familiares como gestantes vivenciam preocupação, ansiedade, medo e estresse frente à condição de vulnerabilidade, porém, as gestantes se percebem mais amparadas e seguras com o apoio da família, que embora não se perceba valorizada/considerada pelos profissionais de saúde durante as consultas de pré-natal, tem papel importante no incentivo e fiscalização dos cuidados durante a gestação.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Protocolos de Atenção Básica: Saúde das Mulheres. Instituto Sírio-Libanês de Ensino e pesquisa [Internet]. 2016 [citado 2019 jan. 22]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolos_atencao_basica_saude_mulheres.pdf

Kassebaum NJ, Bertozzi AV, Coggeshall MS, Shackelford KA, Steiner C, Heuton KR, et al. Global, regional and national levels and causes of maternal mortality during 1990-2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013. Lancet. 2014; 384(9947):980-1004. doi: http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736-14-60696-6

Fortuna CM, Mesquita LP, Matumoto S, Monceau G. A análise de implicação de pesquisadores em uma pesquisa-intervenção na Rede Cegonha: ferramenta da análise institucional. Cad Saúde Pública. 2016; 32(9):e00117615. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00117615

Secretaria de Estado da Saúde do Paraná. Linha Guia – Rede Mãe Paranaense [Internet]. 2018 [citado 2019 jan 12]. Disponível em: http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/LinhaGuiaMaeParanaense_2018.pdf

Amorim TV, Souza IEO, Salimena AMO, Melo MCSC, Paiva ACPC, Moura MAV. The everyday of a heart disease high-risk pregnancy: phenomenological study of care relationships. Esc Anna Nery 2016; 20(4):e20160091. doi: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20160091

Oliveira DC, Mandú ENT. Mulheres com gravidez de maior risco: vivências e percepções de necessidades e cuidado. Esc Anna Nery. 2015; 19(1):93-101. doi: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20150013

Cabrita BAC, Abrahão AL, Rosa AP, Rosa FSF. A busca do cuidado pela gestante de alto risco e a relação com a integralidade em saúde. Ciênc Cuid Saude 2015; 14(2):1139-48. doi: http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v14i2.24250

Fairbrother N, Young AH, Janssen P, Antony MM, Tucker E. Depression and anxiety during the perinatal period. BMC Psychiatr Online. 2015; 15(206):1-9. doi: http://dx.doi.org/10.1186/s12888-015-0526-6

Ferreira S, Fernandes AFC, Lô KKR, Melo TP, Gomes AMF, Andrade IS. Percepções de gestantes acerca da atuação dos parceiros nas consultas de pré-natal. Rev Rene. 2016; 17(3):318-23. doi: http://dx.doi.org/10.15253/2175-6783.2016000300003

Gioza PS, Tavares CMM, Marcondes FL. Suporte emocional às gestantes que convivem com doenças crônicas. Rev Port Enferm Saúde Mental. 2016; (spe4):63-8. doi: http://dx.doi.org/10.19131/rpesm.0143

Watts MCNC, Liamputtong P, Mcmichael C. Early motherhood: a qualitative study exploring the experiences of African Australian teenage mothers in greater Melbourne, Australia. BMC Public Health. 2015; 15:873. doi: https://doi.org/10.1186/s12889-015-2215-2

Nascimento LCN, Souza TV, Oliveira ICS, Moraes JRMM, Aguiar RCB, Silva LF. Theoretical saturation in qualitative research: an experience report in interview with school children. Rev Bras Enferm. 2018; 71(1):228-33. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0616

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2016.

Nie C, Dai Q, Zhao R, Dong Y, Chen Y, Ren H. The impact of resilience on psychological outcomes in women with threatened premature labor and spouses: a cross-sectional study in Southwest China. Health Qual Life Outcomes. 2017; 15(1):15-26. doi: http://dx.doi.org/10.1186/s12955-017-0603-2

Williams CF, Steen M, Esterman A, Fielder A, Walus MA. “My midwife said that having a glass of red wine was actually better for the baby”: a focus group study of women and their partner’s knowledge and experiences relating to alcohol consumption in pregnancy. BMC Pregnancy Childbirth. 2015; 15:79. doi: http://dx.oi.org/10.1186/s12884-015-0506-3

Jackson C, Huque R, Satyanarayana V, Nasreen S, Kaur M, Barua D, et al. He doesn’t listen to my words at all, so i don’t tell him anything”- a qualitative investigation on exposure to second hand smoke among pregnant women, their husbands and family members from rural Bangladesh and urban India. Int J Environ Res Public Health. 2016; 13(11):e1098. doi: http://doi.org/10.3390/ijerph13111098

Pereira SB, Diaz CMG, Backes MTS, Ferreira CLL, Backes DS. Good practices of labor and birth care from the perspective of health professionals. Rev Bras Enferm. 2018; 71(3):1313-9. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0661

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégias/Coordenação Nacional de Saúde do Homem. Guia do Pré-natal do parceiro para profissionais de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

Costa SF, Taquette SR. Atenção à gestante adolescente na rede SUS – O acolhimento do parceiro no pré-natal. Rev Enferm UFPE online [Internet]. 2017 [citado 2019 Jan. 12]; 11(Suppl5):2067-74. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/viewFile/23360/18984

Marcelino LC, Rios CC, Torricelli L, Monteiro JCS, Gomes-Sponholz F. Aspectos sociodemográficos e obstétricos da morbidade materna grave. Cienc Enferm. 2017; 23(2):21-32. doi: http://dx.doi.org/10.4067/S0717-95532017000200021

Publicado
2019-04-25
Seção
Artigos de Pesquisa