Ensino remoto e educação em tempos de pandemia do novo coronavírus no Brasil

aproximação crítica sobre os impactos no ensino-aprendizagem

  • Fabrício Rodrigues da Silva Instituto Federal do Ceará - IFCE
  • Adriana Alves da Silva Instituto Federal do Ceará - IFCE
Palavras-chave: Crise pandêmica., Novo coronavírus, Ensino remoto, Precarização do ensino-aprendizagem.

Resumo

O artigo discute os impactos do ensino remoto sobre a educação profissional e tecnológica no Brasil em tempos de crise e pandemia da COVID-19, doença infecciosa causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2) que tem vitimado milhares de trabalhadores mundialmente. A pandemia não é a mesma para todos, atingindo de forma brutal os países de capitalismo dependente, como o Brasil, atual epicentro da doença, e neste, as classes mais desfavorecidas, pela ausência de um efetivo Estado de direitos. Ainda não é possível uma avaliação final deste impacto, uma vez que a pandemia ainda não se estabilizou e o ensino remoto pode ainda perdurar, no entanto pelas condições em que o mesmo está sendo realizado, inferimos que se constitui em modalidade frágil e incipiente, não garantindo a formação e a qualidade da educação. A discussão desse tema, assim como a resistência aos desmontes de direitos é urgente, uma vez que com a atual crise humanitária tornou-se mais favorável ao capital, através do Estado, avançar sobre esses direitos e em particular sobre a educação pública, implementando mecanismos que impactam e comprometem a formação crítica e de qualidade

Biografia do Autor

Fabrício Rodrigues da Silva, Instituto Federal do Ceará - IFCE

Assistente Social. Doutorando pelo Programa de Pós-graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Atua como perito judicial em processos civis no Tribunal de Justiça do Estado do Ceará - TJCE, Comarca de Icó. Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Serviço Social da Universidade Estadual da Paraíba (PPGSS/UEPB). Especialista pelo Programa de Pós-graduação em Ciências da Educação e Docência do Ensino Superior do Centro Universitário Vale do Salgado (UNIVS). Membro do Grupo de Estudos, Pesquisas e Assessoria em Políticas Sociais (GEAPS/DSS/UEPB). Membro do Grupo de Estudos em Seguridade Social, Fundo Público e Ajuste Fiscal, vinculado ao Núcleo de Educação, Políticas Sociais e Serviço Social (NEPSSS/IFCE). Pesquisa na área da Financeirização do Capital, Ajuste Fiscal, Fundo Público e Orçamento da Seguridade Social brasileira, com ênfase na Previdência Social.

Adriana Alves da Silva, Instituto Federal do Ceará - IFCE

Possuí Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Ceará. É Professora do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do quadro efetivo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Campus Iguatu e Assistente Social da Secretaria de Saúde do Estado do Ceará/18ª CRES - Iguatu. Tem experiência nas áreas de Educação com ênfase em Educação Profissional e Assistência Estudantil e na área de Saúde com ênfase em Políticas de Saúde, Gestão em Saúde, e Saúde do Adolescente.

Referências

ALVES, G. Dimensões da reestruturação produtiva: ensaios de sociologia do trabalho. 2 ed. Londrina: Praxis; Bauru: Canal 6, 2007.
AMARAL, M. S; CARCANHOLO, M. D. superexploração da força de trabalho e transferência de valor: fundamentos da reprodução do capitalismo dependente. In: FERREIRA, C; OSORIO, J; MATHIAS, L. (ORGS.) Padrão de reprodução do capital: contribuições da teoria marxista da dependência. São Paulo: Boitempo, 2012.
ANFIP. Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal. Análise da seguridade social em 2018. Brasília, 2019.
BEHRING, E. Brasil em contrarreforma: desestruturação do Estado e perda de direitos. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008.
BRASIL. Emenda Constitucional n. 95, de 15 de dezembro de 2016. Brasília. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2020.
BRASIL. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Brasília. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2020.
BRASIL. Lei n. 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Brasília. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2020.
BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2020.
BRASIL. Medida Provisória n.º 934, de 1º de abril de 2020. Brasília. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2020.
BRASIL. Portaria n.º 345, de 19 de março de 2020. Brasília. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2020.
BRASIL. Portaria n.º 934, de 01 de abril de 2020. Brasília. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2020.
CAMARGO, R, B; MINTO, C. A. Escola sem partido? Uma análise com base na legislação e sob a ótica do financiamento. Universidade e Sociedade, Brasília, N. 61, p. 76-89, jan./2019.
CETIC.BR. INSTITUTO PENÍNSULA. Sentimento e percepções dos professores brasileiros nos diferentes estágios do coronavírus no Brasil, 2019. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2020.
CHAUÍ, M. Mito fundador e sociedade autoritária. 1 ed. Fundação Perseu Abramo, 2000.
CHESNAIS, F. Doze teses sobre a mundialização do capital. In: FERREIRA, C; SCHERER, A. F. O Brasil frente à ditadura do capital financeiro: reflexões e alternativas. Lajeado: UNIVATS, 2005.
CONSELHO NACIONAL DE JUVENTUDE. Juventudes e a pandemia do coronavírus, 2020. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2020.
CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO. Portal da Transparência, 2020. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2020.
DEMIER, F. Depois do Golpe: a dialética da democracia blindada no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad, 2017.
FERNANDES, F. A revolução burguesa no Brasil: ensaios de interpretação sociologia. 5 ed. São Paulo: Globo, 2005.
FRANÇA FILHO, A. L; ANTUNES, C. F; COUTO, M. A. C. Alguns apontamentos para uma crítica da EAD na educação brasileira em tempos de pandemia. Revista Tamoios, São Gonçalo, v. 16, p. 16-31, Especial COVID-19, maio 2020.
FREITAS, L. C. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Revista Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 119, p. 379-404, abr-jun 2012.
HARVEY, D. Condição Pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Edições Loyola, 1992.
HARVEY, D. O novo imperialismo. São Paulo: Edições Loyola, 2014.
INSTITUTO PENÍNSULA. Sentimento e percepções dos professores brasileiros nos diferentes estágios do coronavírus no Brasil, 2020. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2020.
LIMA, D, G; LIMA, R. L. A EC-95/2016 e a educação superior no Brasil: a materialização perversa do Novo Regime Fiscal. Universidade e Sociedade, Brasília, n. 61, p. 46-57, jan./2019.
LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social II. São Paulo, Boitempo, 2013.
MACENO, E. T. Educação reprodução social: a perspectiva da crítica marxista. São Paulo: Instituto Luckács, 2017.
MANDEL, E. A crise do capital: os fatos e sua interpretação marxista. São Paulo: Ensaio, 1990.
MÉSZÁROS, I. A crise estrutural do capital. 2 ed. São Paulo: Boitempo, 2011.
MINISTÉRIO DA SAÚDE. Painel Coronavírus, 2020. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2020.
MODELSKI, D.; GIRAFFA, L. M.M.; CASARTELLI, A. de. Tecnologias digitais, formação docente e práticas pedagógicas. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 45, e180201, 2019. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2020.
MOTA, A. E. Cultura da crise e seguridade social. 7 ed. São Paulo, Cortez, 2015.
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Coronavirus disease (COVID-19) pandemic, 2020. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2020.
PRADO JÚNIOR, C. Formação do Brasil contemporâneo: colônia. 23 ed. São Paulo: Brasiliense, 2008.
RIBEIRO, L; DAMASCENO, R; DIAS, R. Mais de 100 mortos e rio poluído: tragédia da Vale em Brumadinho completa uma semana, 2020. Estado de Minas Gerais. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2020.
SALVADOR, E. Fundo Público e Seguridade Social no Brasil. São Paulo, Cortez, 2010.
SALVADOR, E. O desmonte do financiamento da seguridade social em contexto de ajuste fiscal. In: Revista Ser Social e Sociedade, São Paulo, n. 130 p. 426-446, set./dez. 2017.
SAMPAIO JR, P. A. Crônica de uma crise anunciada: à crítica a economia política de Lula e Dilma. São Paulo: Amarante Editorial, 2017.
SANTOS, J. S. “Questão Social”: particularidades no Brasil. São Paulo: Cortez, 2012.
SOARES, M; CRAVO, A; TATSCH, C. Dados do SUS revelam-vítima padrão de COVID-19 no Brasil: Homem, pobre e negro, 2020. Época. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2020.
SOUZA, G; SOARES, M. G. M. Contrarreformas e recuo civilizatório: um breve balanço do governo Temer. SER Social, Brasília, v. 21, n. 44, p. 11-28, jan.-jun. 2019.
VIÑAS, D; DURAN, P; CARVALHO, J. Morrem 40% mais negros que brancos por coronavírus no Brasil, 2020. CNN Brasil. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2020.
VIVELA, P. R. Covid-19: pacientes com plano de saúde têm problemas para fazer teste, 2020. Agência Brasil. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2020.
Publicado
2020-12-19
Como Citar
SILVA, F. R. DA; SILVA, A. A. DA. Ensino remoto e educação em tempos de pandemia do novo coronavírus no Brasil. Revista Labor, v. 2, n. 24, p. 87-109, 19 dez. 2020.
Seção
Dossiê