MERITOCRACIA NA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO: CONTRADIÇÕES NA FORMAÇÃO DE TRABALHADORES

  • Érika de Araujo Martins
  • Jerciano Pinheiro Feijo
  • Adriana Alves da Silva

Resumo

O presente estudo debate a meritocracia como elemento ideológico norteador da formação dos trabalhadores. Analisa também, a relação da educação como mundo do trabalho. Adota como técnica o estudo bibliográfico. Tem como referencial Frigotto (1986), Rossi (1977), Arapiraca (1979) entre outros. É resultado parcial do Projeto de Pesquisa: o Lugar da Educação Profissional nos Institutos Federais de Educação. O texto percorre os caminhos da educação profissional no Brasil apresentando uma visão panorâmica, olhando os primórdios quando havia a perspectiva de combate a criminalidade e a ociosidade, passando pela década de 1940 quando se introduz uma formação para a indústria e a década de 1970, período dos acordos do Brasil com a USAID, desvelando o desejo de produzir mão de obra necessária ao que exigia o mercado, vendendo ao trabalhador a Teoria do Capital Humano, engodo que o faz crer que quanto mais qualificado melhor será seu trabalho e seus ganhos, sem levar em consideração que esta melhoria é somente para poucos privilegiados e não para o conjunto da classe trabalhadora.

Biografia do Autor

Érika de Araujo Martins
Estudante de Graduação do Curso de Bacharelado em Serviço Social do IFCE, membro do Grupo de Estudo Em Educação Profissional do IFCE, Bolsista do PIBIC/IFCE.
Jerciano Pinheiro Feijo
Professor do Instituto Federal de Educação – IFCE Campus Caucaia, Graduado em História pela Universidade Regional do Cariri – URCA e Mestrando em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará – UFC.
Adriana Alves da Silva
Professora do Instituto Federal de Educação – IFCE Campus Iguatu, Graduada em Serviço Social e Mestre em Políticas Públicas pela Universidade Estadual do Ceará – UECE, Doutoranda em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará – UFC.
Publicado
2017-03-16
Seção
Artigos