O Ensino Técnico em Teatro:

conformação ou resistência?

  • Benedita Alcidema Coelho dos Santos Magalhães UFPA
  • Ronaldo Marcos de Lima Araujo UFPA
Palavras-chave: Trabalho, Arte, Educação profissional

Resumo

Este texto trata da educação profissional em arte. Objetiva analisar a trajetória do ensino técnico em Teatro da Universidade Federal do Pará, suas finalidades e contradições, no âmbito da educação profissional. A metodologia utilizada foi o estudo de caso e a abordagem foi considerada qualitativa. Utilizou-se entrevistas semiestruturadas e análise de documentos. As entrevistas revelaram que a Escola de Teatro e Dança e concomitantemente a formação dos profissionais de teatro, passou por quatro fases: a fase áurea de criação, a fase de decadência; a fase de renovação e; a fase de institucionalização. Podemos concluir que ter um curso de teatro, que por décadas existiu de forma livre e agora de modo institucionalizado na educação profissional, ainda que, com todas as limitações desta modalidade de ensino, significa para a escola de teatro e para a formação de artistas, uma questão de sobrevivência e garantia de continuidade da formação e legitimação da arte no interior da academia, o que aparenta ser conformação, revela-se como resistência.

Biografia do Autor

Benedita Alcidema Coelho dos Santos Magalhães, UFPA

Licenciada em Pedagogia pela Universidade do Estado do Pará (2001); Licenciada em Geografia (UFPA, 2005), Bacharel em Geografia (UFPA, 2005); Mestre em Educação - Políticas Públicas Educacionais pela Universidade Federal do Pará/PPGED (2009). Doutorado em Educação- Políticas Publicas Educacionais pela Universidade Federal do Pará (2018). Atualmente é Professora Adjunta da Faculdade de Geografia e Cartografia do IFCH - UFPA. Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Trabalho e Educação (GEPTE/NEB/UFPA); Coordenadora de projeto de pesquisa (Edital PRODUTOR-2019) e Projeto de extensão (PROEXIA/MARAJÓ-2019). Membro do Núcleo Docente Estruturante (NDE) de Geografia (Licenciatura e Bacharelado). Foi Técnica em Assuntos Educacionais da UFPA (2010- 2018): atuando como coordenadora pedagógica da Escola de Teatro e Dança, ICA/UFPA; Pedagoga das Licenciaturas em Teatro e Licenciatura em Dança PARFOR/UFPA, professora colaboradora da Licenciatura em Teatro PARFOR/UFPA. Foi da Coordenação de Avaliação e Desempenho de Curso da Diretoria de Ensino da PROEG/UFPA. Assessora Pedagógica da Secretaria Municipal de Gurupá (2002-2003); professora de Geografia da rede estadual de ensino/ SEDUC/PA (2005- 2009). Tem experiência na área da Educação com ênfase em Trabalho e Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: trabalho, ensino de Geografia, movimentos sociais, educação profissional, arte. É associada à ANPED.

 

Ronaldo Marcos de Lima Araujo, UFPA

RONALDO MARCOS DE LIMA ARAUJO, Pedagogo, especialista em docência do ensino superior pela UFPA, Mestre em História e Filosofia da Educação pela PUC-SP, Doutor em Educação pela UFMG, com Pós-Doutoramento no PPFH-UERJ. Atualmente é Professor Titular do Núcleo de Estudos Transdisciplinares em Educação Básica da UFPA atuando como professor da graduação e da pós-graduação ? mestrado e doutorado. Na UFPA coordena o GEPTE ? Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Trabalho e Educação. Mantem produção bibliográfica regular focando principalmente na área de Trabalho e Educação e, em particular, no ensino médio e na educação profissional. Tem experiência de orientação de dissertações/teses de mestrado e doutorado, trabalhos de Iniciação Científica, Trabalhos de Conclusão de Curso e monografias de cursos de especialização. Coordenou vários projetos de pesquisa com financiamento externo. Coordenou o Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPA em três gestões, o Programa de Pós-Graduação em Currículo e Gestão da Escola Básica e o EDUCANORTE ? Programa de Pós-Graduação em Educação na Amazônia ? Doutorado, sendo eleito vice-coordenador do Fórum Nacional de Coordenadores de Programas de Pós-Graduação em Educação, Coordenador do GT de Trabalho e Educação da ANPED, Diretor de Qualificação da Escola de Governo do Pará, Diretor de Ensino Médio e Educação Profissional da Secretaria de Educação do Pará, membro do Conselho Estadual de Educação, Diretor Geral do Núcleo de Estudos Transdisciplinares em Educação Básica da UFPA e membro da Comissão da Área de Educação junto a CAPES. Atualmente é Superintendente de Assistência Estudantil da UFPA. É associado da ANPED, da ANPAE e da SBPC. Bolsista Produtividade do CNPq.

Referências

ARAUJO, Ronaldo M.L. As Práticas Formativas em Educação Profissional no Estado do Pará: Em busca de uma Didática da Educação Profissional (2008 – 2010). Relatório de pesquisa. Disponível em http://www.ufpa.br/ce/gepte, acessado no dia 09 de julho de 2013.

BEZERRA, José Denis de Oliveira. Vanguardismos e modernidades: cenas teatrais em Belém do Pará (1941-1968). Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em História, Belém, 2016.

BRASIL, MEC/CNE/CEB. Resolução nº 6, de 20 de setembro de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio.

BRASIL. Decreto nº 5.154 de 23 de julho de 2004. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e dá outras providências.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Trad. Luis Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: edições 70, 2011.

ÉLLERES. Paraguassú. Teatro de Vanguarda. O Norte Teatro Escola do Pará e os festivais de teatro de estudantes. Belém: Paka-Tatu, 2008.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação e Trabalho: bases para debater a Educação Profissional Emancipadora. Revista PERSPECTIVA, Florianópolis, v.19, n.1, p.71-87, jan./jun. 2001.

. Educação e a crise do capitalismo real. 6ªed. São Paulo: Cortez, 2010.

FRANCO, Maria Laura P.B. Análise de Conteúdo. 2ª ed. Brasília: Livro editora, 2005.

GOMES. Hélica Silva carmo; BATISTA, Eraldo Leme. Educação para a práxis: contribuições de Gramsci para uma pedagogia da educação profissional. In: BATISTA, E.L; MÜLLER,
M.T. (Orgs). Realidades da educação profissional no Brasil. São Paulo: Alínea, 2015.

MARX. Karl. Cadernos de Paris & Manuscritos econômico-filosóficos de 1844. [trad. José Paulo neto e Maria Antonia Pacheco]. 1ªEd. São Paulo: expressão popular, 2015.

MENGER, Pierre-Michel. Retrato do Artista Enquanto Trabalhador: Metamorfoses do Capitalismo. Lisboa. Roma Editora, 2002.

REZENDE, José. A formação do artista no Brasil. Risco: revista da graduação do Depto. de Artes Plásticas da ECA-USP. Originalmente publicado em 1975.

SALLES, Vicente. Épocas do Teatro no Grão-Pará ou Apresentação do Teatro de Época. Tomo 2. Belém: EDUFPA, 1994b.

SZYMANSKI, Heloisa, et al (Org.). Entrevista na Pesquisa em Educação: prática reflexiva. Brasília: Líber Livro Editora, 2004.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ/ESCOLA DE TEATRO E DANÇA. Projeto Pedagógico do Curso Técnico em Ator. 2012.

. Projeto Pedagógico do Curso Técnico de Nível Médio em Teatro. 2015.

http://portal.inep.gov.br/ acessado no dia 15 de agosto de 2017.
Publicado
2020-12-20
Como Citar
MAGALHÃES, B. A. C. DOS S.; ARAUJO, R. M. DE L. O Ensino Técnico em Teatro: . Revista Labor, v. 2, n. 24, p. 131-154, 20 dez. 2020.
Seção
Dossiê