O uso do facebook nas aulas de química:

uma intervenção pedagógica com alunos da 2ª série do ensino médio

  • João Batista Soares Vila Nova Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino do Amazonas
  • Alexandra Nascimento de Andrade Universidade Federal do Amazonas - UFAM
  • Priscila Eduarda Dessimoni Morhy Centro Universitário do Norte - UNINORTE- AM
  • Carolina Brandão Gonçalves Pedagoga do Museu Amazônico e diretora da Divisão de Difusão Cultural - Universidade Federal do Amazonas
Palavras-chave: Ensino, Intervenção pedagógica, Química

Resumo

O presente artigo tem como objetivo, investigar as contribuições do uso do Facebook mediante uma intervenção pedagógica nas aulas de Química, com alunos da 2ª série do Ensino Médio, de uma escola Estadual da Zona Norte da cidade de Manaus - AM. A pesquisa fez uso da Fanpage, criando-a para os alunos discutirem, postarem e tirarem dúvidas sobre os conteúdos de Química, visto que a partir dos registros, constatou-se  algumas das dificuldades encontradas pelos alunos em entender os conteúdos deste componente curricular eram devido às aulas monótonas, o que justificava a falta de estímulo e interesse deles. Após a intervenção pedagógica, com o uso do Facebook nas aulas apurou-se, por meio das falas dos alunos, que a aprendizagem dos conteúdos foi satisfatória, uma vez que auxiliou o professor, e a eles próprios, que puderam tirar dúvidas e interagir nos fóruns, enviando vídeos e perguntas sobre os conteúdos estudados, contribuindo para o maior envolvimento de todos. Evidenciou-se que o uso das redes sociais, no caso o Faceboock, pode ser utilizado para analisar e resolver questões e exercícios de conteúdo programático, solucionando as dúvidas de maneira mais rápida, havendo a troca de conhecimento e informação. Destaca-se nesta pesquisa a importância na relação entre aluno e professor, e a necessidade de estimular a livre expressão dos discentes e o uso dos aplicativos e softwares para o seu processo educativo, em todas as disciplinas.

Biografia do Autor

João Batista Soares Vila Nova, Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino do Amazonas

Graduada em Quimica pela Universidade Federal do Amazonas, UFAM, Brasil. Professor da Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino do Amazonas.

Alexandra Nascimento de Andrade, Universidade Federal do Amazonas - UFAM

Graduada em Pedagogia (FSDB). Especialista em Gestão e Supervisão Escolar pela UNINORTE Laurent. Especialista em Metodologia do Ensino Superior pela Faculdade Salesiana Dom Bosco (FSDB). Especialista em Gestão Escolar pela Faculdade Salesiana Dom Bosco (FSDB). Mestra em Educação em Ciências na Amazônia pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Doutoranda em Educação na Amazônia – Educanorte - PGEDA (UFPA). Pedagoga da Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino do Amazonas (SEDUC/AM).

Priscila Eduarda Dessimoni Morhy, Centro Universitário do Norte - UNINORTE- AM

Bióloga, Especialista em Didática do Ensino Superior, Mestre em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia - PPGEEC/UEA. Doutoranda em Biotecnologia (UFAM) com foco em Gestão, Cadeias produtivas e Inovação. Pesquisadora membro do Grupo de Estudo e Pesquisa Educação em Ciências em Espaços Não Formais - GEPECENF/UEA. Professora do Centro Universitário do Norte - UNINORTE- AM.

Carolina Brandão Gonçalves, Pedagoga do Museu Amazônico e diretora da Divisão de Difusão Cultural - Universidade Federal do Amazonas

Graduada em Pedagogia e mestre em Ciências da Comunicação, pela Universidade Federal do Amazonas. Doutora em Ciências da Educação pela Universidade do Minho (2010), Braga – Portugal, na área de Políticas, Administração e Sistemas educacionais. Atualmente é pesquisadora da Universidade do Estado do Amazonas, atuando no Programa de Pós-graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia. Pedagoga do Museu Amazônico, e diretora da Divisão de Difusão Cultural - Universidade Federal do Amazonas. Também atua como professora no doutorado em Educação na rede de educadores da região Norte EDUCANORTE (UEA).

Referências

ARAÚJO, V.D.L. O impacto das redes sociais no processo de ensino e aprendizagem. In: 3º simpósio Hipertextos e tecnologias na educação: Redes sociais na aprendizagem.3, Pernambuco. Anais eletrônicos,2010 p. 1-13. Disponível em: http://www.nehte.com.br/simposio/anais/Anais-Hipertexto-2010/Veronica-Danieli-Araujo.pdf. Acessado em 24/01/2020.
BOYD, d. & ELLISON, N. Social network sites: Definition, history, and scholarship. Journal of Computer-Mediated Communication, 13(1), article 11, 2007. Disponível em: Acesso em: 02.11.2019
BRASIL. Ministério da Educação. O Novo Ensino Médio. Brasília, DF, 2019. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/component/content/article?id=40361#nem_01>. Acesso em: 19 abr. 2019.
CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999. v. 1.
de Desenvolvimento Educacional –PDE. Curitiba, p.41. 2013. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2013/2013_utfpr_port_pdp_eliane_aparecida_dias.pdf. Acessado:24/01/2020.
FERRI, M. J.; SAGGIN, R. Aplicação de metodologias alternativas visando o melhoramento no ensino da química. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Pato Branco2014.
FLICK, U. Uma Introdução à Pesquisa Qualitativa. 2ª ed. Porto Alegre: Boockman, 2004.
LEITE, B. S. Tecnologias no ensino de química: teoria e prática na formação docente. 1 ed. Curitiba: Appris, 2015.
LEITE, B. S.; LEÃO, M. Brito Carneiro. Projeto Quimicasting - Uma ferramenta didática no processo de ensino-aprendizagem de Química. In: XIV Encontro Nacional de Ensino de Química, 14, 2008, Curitiba. Anais...Curitiba: UFPR/DQ, 2008.
LIBÂNEO, J. C. Didática. vol. único. São Paulo: Cortez, 1994.
LUNARDON, E.A.D. O uso do Facebook no processo de ensino e aprendizagem de leitura e escrita de textos argumentativos. Produção Didático-Pedagógica apresentada à
MARQUES, H. R.; MANFROI, J.; CASTILHO, M. A. de; NOAL, M. L. Metodologia da pesquisa e do trabalho científico. Campo Grande: UCDB, 2006.
MORAN, J. M. Como utilizar a internet na educação. Ciência da Informação, v. 26, n. 2, p. 146-153, 1997.
NUNES, A. S. ADORNI, D. S. O ensino de química nas escolas da rede pública de ensino fundamental e médio do município de Itapetinga-BA: O olhar dos alunos. In: ENCONTRO DIALÓGICO TRANSDISCIPLINAR – Enditrans, Anais eletrônico..., 2010, Vitória da Conquista, BA. 2010.
PINTO, J. B. G.. Pesquisa-Ação: Detalhamento de sua sequência metodológica. Ed. Mimeo. Recife, 1989.
RECUERO, R. R. Sociais na Internet. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2009. 191 p. (no prelo)
ROCHA, J. S.; VASCONCELOS, T. C. Dificuldades de aprendizagem no ensino de química: algumas reflexões. In: XVIII Encontro Nacional de Ensino de Química (XVIII ENEQ). Divisão de Ensino de Química da Sociedade Brasileira de Química (ED/SBQ). 2016.
RODRIGUE, V.C. Facebook e Censura. Dissertação (Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais) – PUC (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo). São Paulo, p. 97. 2018
SANTOS, M. Por uma outra globalização. Livro vira-vira 2, Rio de Janeiro: BestBolso, 2011.
Secretaria de Estado da Educação, como requisito parcial de participação no Programa
SERAFIM, I. M. J. O envolvimento do aluno no processo de ensino-aprendizagem durante a realização de atividades experimentais. 2005. 147 f. Dissertação (Mestrado em Química) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2005.
SILVA, S. G. As Principais Dificuldades na Aprendizagem de Química na Visão dos Alunos do Ensino Médio. In: IX Congresso de Iniciação Científica do IFRN. 2013. SEVERO, Ivan Rodrigues Maranho. Levantamento do perfil motivacional de alunos, do ensino médio, de três escolas públicas da cidade de São Carlos/SP, na disciplina de Química. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.
ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Artmed, Porto Alegre, 1998. Reimpresso, 2007.
Publicado
2020-12-31
Como Citar
NOVA, J. B. S. V.; ANDRADE, A. N. DE; MORHY, P. E. D.; GONÇALVES, C. B. O uso do facebook nas aulas de química:. Revista Labor, v. 2, n. 24, p. 604-616, 31 dez. 2020.
Seção
Artigos