Mapeamento sistemático de produções científicas sobre a violência autoinfligida

  • Leonora de Jesus Mendes Tavares Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão - IFMA
  • Álvaro Itaúna Schalcher Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão - IFMA https://orcid.org/0000-0001-5415-9701
  • Francisco Adelton Alves Ribeiro Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão - IFMA
Palavras-chave: Publicações, Técnicas prospectivas, Violência autoprovocada

Resumo

A violência autoinflingida constitui evento de notificação compulsória que abrange comportamentos suicidas (tentativas de suicídio e suicídio) e autoabusos (agressões a si próprio e automutilações). Propõe-se a analisar utilizando técnicas prospectivas - artigos, dissertações e teses, no idioma português, de programas de pós-graduações brasileiros stricto sensu, pertencentes ao eixo Psicologia, Educação e Ciências Sociais, de 2009 a 2019, presentes nos bancos de dados nacionais identificando-se a evolução anual, o número de publicações por instituição e a área de conhecimento. Realizaram-se buscas e cruzamentos de dados disponibilizados pelo Catálogo de Teses e Dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CTD/CAPES), pela Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD) e pela plataforma SciELO (Coleção SciELO Brasil). Das bases consultadas, o CTD/CAPES e a BDTD foram as que mais retornaram resultados abrangendo 84,38% dos trabalhos. Verificou-se que as áreas de conhecimento que mais desenvolveram trabalhos foram Psicologia (62,5%), Tratamento e Prevenção Psicológica (15,63%) e Educação (9,38%). Constatou-se que a Região Sudeste (44%) foi a que mais publicou seguida da Região Nordeste (31%) e da Região Centro-Oeste (16%). Os Estados com maior número de publicações foi Pernambuco (28,13%) seguido por São Paulo (18,75%) e Distrito Federal (9,38%). As Instituições com mais publicações depositadas foram a Universidade de São Paulo (USP), a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, totalizando 31,25% do corpus analisado.

Biografia do Autor

Leonora de Jesus Mendes Tavares, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão - IFMA

Cientista Social. Docente de Sociologia pela Secretaria Estadual de Educação do Maranhão (SEDUC-MA). Mestranda em Educação Profissional e Tecnológica (EPT) em Rede Nacional pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA), Campus São Luís/ Monte Castelo.

Álvaro Itaúna Schalcher Pereira , Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão - IFMA

Doutor em Engenharia e Ciência de Alimentos com área de concentração em Ciência e Tecnologia de Alimentos e Linha de Pesquisa em Microbiologia e Bioprocessos pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). MBA em Gestão de Ensino de Ciências, Tecnologia e Inovação pela Faculdade Integrada Metropolitana de Campinas (IBTA). Mestre em Química, Especialista em Informática na Educação e Graduado em Licenciatura Plena em Química todos pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA). Consultor Ad hoc (FAPEMA/PATRONAGE). Orientador, Coorientador e Membro de Projetos de Iniciação Científica e Pesquisa (PIBIC) do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI) de Ensino Superior e Médio e Coordenação em Projeto Institucional. Líder do Grupo de Pesquisa cadastrado no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) em Alimentos, Química, Agronomia e Recursos Hídricos (AQARH) e Membro dos Grupos de Pesquisa: Química, Meio Ambiente e Ensino de Ciências (QMAEC); e Núcleo Autônomo de Ações Sustentáveis em Química Analítica, Alimentos e Água (NASQA). Compõe o Banco de Avaliadores do Reconhecimento de Saberes e Competências (RSC) e o Quadro de Avaliadores do Comitê Científico na área de Ciências Agrárias - Tecnologia de Alimentos e Ciências Exatas e da Terra - Química. É Representante Docente do Conselho Diretor (CONDIR) e Membro do Núcleo Docente Estruturante do curso de Tecnologia de Alimentos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA). Tem experiência nas áreas Ciências Exatas e da Terra, Ciências Agrárias, Interdisciplinar, Ciência, Cultura e Tecnologia, com ênfase em Práticas Educativas voltadas a Educação Profissional e Tecnológica, com abordagens nos espaços formais e não formais e Orientações e Coorientações em Trabalhos de Conclusão de Cursos (TCC) e Dissertações de Mestrado. Atuando na área de Educação à Distância, Diversidade e Inclusão da Educação do Campo. Possui autoria de livros nas áreas de Educação, Química e Tecnologia em Alimentos. Parecerista revisor de periódicos: Revista de Educação, Tecnologia e Cultura (ETC), Revista Ciência, Tecnologia e Humanidades (CIENTEC), Revista Práxis (PRÁXIS), Revista Brasileira de Informática na Educação (RBIE), Acta Tecnológica (ACTA), Revista Ensino em Foco, Revista Cubana de Plantas Medicinales (RCPM) e Engenharia na Agricultura (REVENG). Atualmente faz parte do Corpo de Docentes Permanentes do Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) ofertado em Rede Nacional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA).

Francisco Adelton Alves Ribeiro, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão - IFMA

Doutor em Biotecnologia com área de concentração em Biotecnologia com área de concentração em Saúde e Linha de Pesquisa em Processamento de Imagens pela Rede Nordeste de Biotecnologia (RENORBIO)/Universidade Federal do Piauí (UFPI). Mestre em Engenharia da Computação e Sistemas com Área de Concentração em Tecnologia da Informação e Linha de Pesquisa em Tecnologia da Informação pela Universidade Estadual do Maranhão (UEMA). Especialista em Docência do Ensino Superior pelo Centro Universitário Integral Diferencial (UniFacid). Especialista em Redes de Computadores pelo Centro Universitário Santo Agostinho (UNIFSA). Bacharel em Sistemas de Informação pelo Centro Universitário Integral Diferencial (UniFacid). Atualmente, Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA) e Docente Permanente do Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) ofertado em Rede Nacional do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA). Líder do Grupo de Pesquisa cadastrado no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) em Alimentos, Química, Agronomia e Recursos Hídricos (AQARH) e Membro dos Grupos de Pesquisas: Núcleo de Inovação, Ensino, Pesquisa e Extensão em Matemática; e Pesquisa em Oncologia Ginecológica e Mamária. Consultor Ad hoc (FAPEMA/PATRONAGE). Compõe o Banco de Avaliadores da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC-MEC) e do Comitê Científico Institucional do IFMA. Orientador e Coorientador de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC), Dissertações. Coordenação de projetos de Desenvolvimento tecnológico e Membro de Projetos de Iniciação e Pesquisa: PIBIC e PIBITI de Ensino Superior e Médio e Coordenação Projeto Institucional. Consultor das Plataformas de Ensino à Distância: Blackboard e Moodle em Instituições Educacionais e Corporativas. Atua nas linhas de pesquisas Computação Aplicada; Educação Inclusiva; e Práticas Educativas em Educação Profissional e Tecnológica (EPT). Autor de Programas de Computadores com registro no Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI)

Referências

ARAUJO, Juliana Falcão Barbosa de. Cortes que viram cartas: ensaios sobre automutilação na clínica psicanalítica . 2019. f. Tese (Doutorado em Psicologia Clínica e Cultura) - Universidade de Brasília. Brasília, 2019.
ARAÚJO, Vera Lúcia Machado de. A prática pedagógica transdisciplinar e sua importância para sala de aula com adolescentes-jovens em processos de automutilação. 2018. 194 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Pernambuco, Nazaré da Mata, 2018.
ARCOVERDE, Renata Lopes. Autolesão e produção de identidade. 2013. 84 f. Tese (Doutorado em Psicologia Clínica) - Universidade Católica de Pernambuco, Recife, 2013.
ARCOVERDE, Renata Lopes; SOARES, Lara Sá Leitão de Castro. Funções neuropsicológicas associadas a condutas autolesivas: revisão integrativa de literatura. In: Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 25, n. 2, p. 293-300, 2012.
BALÃO, Sonia Maria da Silva. A comunicação nas redes sociais e os transtornos depressivos: um olhar à luz da Psicanálise Winnicottiana. 2018. 136 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia: Psicologia Clínica) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Clínica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2018.
BERNAL, Elisa Penna. Considerações psicanalíticas a respeito da automutilação. 125f. 2019. Dissertação (Mestrado). Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2019.
BERNARDES, Suela Maiara. Tornar-se (in)visível: um estudo na rede de atenção psicossocial de adolescentes que se automutilam. 2015. 123p. Dissertação (Mestrado Profissional)- Centro de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Saúde Mental e Atenção Psicossocial. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.
BRASIL. LEI nº 13.819, de 26 de abril de 2019. Institui a Política Nacional de Prevenção da Automutilação e do Suicídio, a ser implementada pela União, em cooperação com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios; e altera a Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, Ano 131, p. 1, 29 abr. 2019.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 26 dez. 2011.
BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.876, de 14 de agosto de 2006. Diretrizes nacionais para a prevenção do suicídio. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 15 ago. 2006.
CALDAS, Marcus Túlio et al. Condutas autolesivas entre detentas da Colônia Penal Feminina do Recife. In: Psicologia em Estudo, v. 14, n. 3, p. 575-582, 2009.
CÂMARA, Leonardo; CANAVÊZ, Fernanda. Contribuições de Sándor Ferenczi para o fenômeno da autolesão. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, v. 23, n. 1, p. 57-76, 2020.
CARDOSO, Bruno Cavaignac Campos. A escarificação na adolescência: a problemática do eu-pele a partir do Rorschach. 182f. 2015. Dissertação (mestrado)— Instituto de Psicologia, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura. Universidade de Brasília: Brasília, 2015.
CAVALCANTE, Aldenira Barbosa. Anorexia nervosa na adolescência: um problema de família?' 2009.138 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) Universidade Católica de Brasília. Brasília, 2009.
CEDARO, José Juliano; NASCIMENTO, Josiane Paula Gomes do. Dor e gozo: relatos de mulheres jovens sobre automutilações. In: Psicologia USP, v. 24, n. 2, p. 203-223, 2013.
CHAVES, Gislaine. Adolescência e autolesão: Psicodiagnóstico como proposta de compreensão e intervenção a partir de um caso clínico. 2018. 221 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica). - Universidade de São Paulo, São Paulo.
CORDEIRO, Gleice de Oliveira. Formação Docente em Análise Funcional baseada em tentativas para avaliação de comportamentos-problema. 2018. 81 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia). - Universidade Federal do Vale do São Francisco. Petrolina, 2018.
DETTMER, Sabrina Estefânia Silva (2018). Cutting: uma caracterização do fenômeno em escolas de Dourados (MS). 2018. 131 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, 2018.
DINAMARCO, Adriana Vilano. Análise exploratória sobre o sintoma de automutilação praticada com objetos cortantes e/ou perfurantes, através de relatos expostos na internet por um grupo brasileiro que se define como praticante de automutilação. 2011. 182f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós- Graduação em Psicologia – Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. – São Paulo, 2011.
FERREIRA, Josani Campos da. Mensagens sobre Escarificações na Internet: um estudo psicanalítico. 2014. 118f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia Universidade Estadual de Maringá. –Maringá, 2014.
GOMES, Beatriz Correa da Silva. A medicalização a partir da autolesão. 2019. 90 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) -: Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Seropédica, 2019.
GONÇALVES, Jacqueline Nascimento. “Vocês acham que me corto por diversão?”: Adolescentes e a prática da automutilação. 2016. 134 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2016.
JATOBÁ, Maria Manoella Verde. O ato de escarificar o corpo na adolescência: uma abordagem psicanalítica. 2010. 93f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal da Bahia. Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Salvador, 2010.
LACERDA, Elias Pereira de. Possibilidades de Superação do Suicídio entre estudantes do Ensino Fundamental .2019. 137 f. Dissertação (Mestrado em Educação). - Universidade Católica de Brasília. Brasília, 2019.
LEITÃO, Iagor Brum. O Centro de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil (CAPSIJ) de Vitória: dez anos de funcionamento - 2018. 116 fl. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Humanas e Naturais. Vitória, 2018.
LOPES, Lorena da Silva. A escola como cenário de narrativas da adolescência: escuta analítica de adolescentes que praticam automutilação. 164f. 2017. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Fortaleza. Programa de Mestrado em Psicologia. Fortaleza, 2017.
LUNA, Dayse Batista de. A experiência e a prática da automutilação entre jovens mulheres: a travessia e os ruídos da dor, na contemporaneidade. 2010. 125 f. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de Pernambuco. CFCH. Antropologia. Recife, 2010.
MAIA, Aline da Silva Dias. Um diálogo entre a psicologia e a arte: As interferências e contribuições da arte na produção de subjetividade em contexto escolar. 86f. 2017. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Seropédica, 2017.
NASCIMENTO, Marina Diniz Luna do. O corpo em cena: escarificações em adolescentes do sexo feminino. 2019. 95 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Católica de Pernambuco. Programa de Pós-graduação em Psicologia Clínica. Mestrado em Psicologia Clínica. Recife, 2019.
ROBERTO, Tiago Moreno Lopes. Caracterização do perfil do indivíduo em caso de violência autoprovocada. 2019. 57 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Psicologia) - Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, São José do Rio Preto, 2019.
RODRIGUEZ, Cláudia Fernanda. Falando de morte na escola: o que os educadores têm a dizer? 2010. 341f. Tese (Doutorado) – Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano. São Paulo, 2010.
SILVA, Anna Katarina Barbosa do. “No meio do caminho tinha uma pedra...”: um estudo de caso sobre discurso do sujeito usuário de crack em sua relação com o corpo no uso abusivo da substância. 251 f. Tese (Doutorado). Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2016.
TOSTES, Guilherme Wykrota. Dor cortante: sofrimento emocional de pessoas que se autolesionam. 2017. 138 p. Dissertação (mestrado) – Programa de Pós- Graduação em Psicologia. Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2017.
VASCONCELLOS, Ana Paula Navarro de. Oficina do Conviver: preocupações prementes de adolescentes do ensino médio sob o olhar da psicologia analítica. 2019. 177 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia: Psicologia Clínica) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Clínica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2019.
VILHENA, Júnia de. Corpo como tela... navalha como pincel. A escuta do corpo na clínica psicanalítica. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, v. 19, n. 4, p. 691-706, 2016.
Publicado
2020-12-28
Como Citar
TAVARES, L. DE J. M.; PEREIRA , ÁLVARO I. S.; RIBEIRO, F. A. A. Mapeamento sistemático de produções científicas sobre a violência autoinfligida. Revista Labor, v. 2, n. 24, p. 526-551, 28 dez. 2020.
Seção
Artigos