A implantação do IF Goiano - Campus Iporá:

história contada por servidores pioneiros

  • Suelia da Silva Araújo Instituto Federal Goiano - Campus Iporá
  • Adenilda Rodrigues da Silva Junqueira INSTITUTO FEDERAL GOIANO - CAMPUS IPORÁ
  • Sangelita Miranda Franco Mariano Instituto Federal Goiano - Campus Morrinhos
Palavras-chave: Narrativas, Campus Iporá, Histórias, Memórias

Resumo

Este artigo aborda o processo histórico de implantação do IF Goiano - Campus Iporá, inaugurado em 1º de fevereiro de 2010. Com o objetivo de compreender o contexto histórico dessa Instituição de ensino profissional, realizamos uma pesquisa qualitativa. Assim, inicialmente, apresentamos a contextualização do município de Iporá e o processo de interiorização dos Institutos Federais. Em seguida, trazemos as narrativas de alguns servidores pioneiros do Campus Iporá, que foram convidados a participar de uma entrevista. Esses sujeitos representam as categorias docente, técnico administrativo e gestor. Para a realização da entrevista, adotamos um roteiro semiestruturado e para a construção deste estudo, nos baseamos em teóricos como Silveira (2007), Delgado (2010), Clandinin e Connelly (2011), Halbwachs (2013), Moran (2014), entre outros. As narrativas dos sujeitos entrevistados nos permitiram conhecer diferentes percepções, expectativas e experiências de quem iniciou seus trabalhos nessa Instituição, a partir de 2010, e permanece até os dias atuais. Assim, por meio dessas narrativas, apresentamos as memórias e histórias desses sujeitos acerca dos desafios de implantação do Campus, do percurso seguido nos dez anos de Instituição e da relação da implantação do Campus Iporá com o desenvolvimento local.

Biografia do Autor

Suelia da Silva Araújo, Instituto Federal Goiano - Campus Iporá

Técnica em Assuntos Educacionais do IF Goiano - Campus Iporá.

Adenilda Rodrigues da Silva Junqueira, INSTITUTO FEDERAL GOIANO - CAMPUS IPORÁ

Graduada pela Universidade do Estado de Mato Grosso (2010). Pós Graduada em Educação do Campo, pelo Instituto Federal de Mato Grosso e em Formação Pedagógica pelo Instituto Federal Goiano, Mestranda do Instituto Federal Goiano Campus Morrinhos em Educação Profissional. Atualmente sou Pedagoga no IF GOIANO - CAMPUS IPORÁ. Tenho experiência na área de Administração, SUAP, e outros sistemas, com ênfase em Administração de Pessoal, execução orçamentária e financeira, Orientação Educacional, Assistência Estudantil e Atuação junto ao NAPNE - Núcleo de Atendimento a Pessoas com necessidades específicas.

Sangelita Miranda Franco Mariano, Instituto Federal Goiano - Campus Morrinhos

Graduada em Pedagogia, pela Universidade Federal de Uberlândia (2003). É especialista em Docência na Educação Superior, Universidade Federal de Uberlândia (2004). Mestre em Educação na Linha de Pesquisa "Saberes e Práticas Educativas" pela Universidade Federal de Uberlândia (2009) e Doutora em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia, na linha de pesquisa " Estado, Políticas e Gestão da Educação" (2016). Atualmente trabalha no Instituto Federal Goiano - Campus Morrinhos, como docente do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico. Possui experiência na área de educação infantil; Políticas públicas educacionais, Práticas educativas , Avaliação e Estágio Supervisionado. 

Referências

BERNARDES, Arthur; MORAES, Flávia; LIMA, Rogério. Entrevista sobre A implantação do Campus Iporá: história contada por alguns servidores pioneiros, cedida as autoras da pesquisa para fins acadêmicos, Iporá, 2020.

BOSI, Ecléia. Memória e Sociedade: Lembranças de Velhos. 3. ed. São Paulo, Companhia das Letras, 1994.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11892.htm. Acesso em 25 jun. 2020.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Produto Interno Bruto dos Municípios. Rio de Janeiro: IBGE, 2016. Disponível em: . Acesso em: Acesso em 24 jun. 2020.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Estimativas populacionais. Rio de Janeiro: IBGE, 2018. Disponível em: . Acesso em 24 jun. 2020.

BRASIL, INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO. Secretaria de Registros acadêmicos. Iporá, 2020.

BRASIL, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Censo 2010. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/ . Acesso em 24 jun. 2020.

BRASIL, Ministério do Trabalho e Emprego - MTE. Programa de Disseminação de Estatísticas do Trabalho. Brasília: MTE, 2008. Disponível em: http://pdet.mte.gov.br/acesso-online-as-bases-de-dados. Acesso em 24 jun. 2020.
BRASIL, Ministério do Trabalho e Emprego - MTE. Programa de Disseminação de Estatísticas do Trabalho. Brasília: MTE, 2011. Disponível em: http://pdet.mte.gov.br/acesso-online-as-bases-de-dados. Acesso em 25 jun. 2020.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP. Sinopses Estatísticas da Educação Básica, 2017. Brasília: INEP, 2017. Disponível em: http://inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica. Acesso em 25 jun. 2020.

CLANDININ, D. Jean. CONELLY, F. Michael. Pesquisa narrativa: experiências e história na pesquisa qualitativa. Tradução: Grupo de Pesquisa Narrativa e Educação de Professores ILEEL/UFU. Uberlândia: EDUFU, 2011.

COSTA, Bruno Marcelo de Souza. A escola como espaço de memórias e formação de identidade(s), Programa de Pós-Graduação Comunicação, Linguagem e Cultura - Unama n. 2 2013 ISSN 1517-199x. Disponível em: file:///C:/Users/Adenilda/Downloads/778-2822-3-PB%20(3).pdf. Acesso em 25 jun. 2020.

DELGADO, Lucília de Almeida Neves. História Oral e narrativa: tempo, memória e identidade. 2.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. Disponível em:
https://pt.scribd.com/read/405827709/Historia-oral-Memoria-tempo-identidades#. Acesso em 10 de jun. 2020.

GALLICCHIO, E. El Desarrollo Local en América Latina: estrategia política basada en la construcción de capital social. Seminário Desarollo con inclusión y equidad: sus implicancias desde lo local. Córdoba: SEHAS, 2004.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. 2. ed. São Paulo: Centauro, 2013. Aedos, Porto Alegre, v. 8, n. 18, p. 247-253, Ago. 2016. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/aedos/article/viewFile/59252/38241. Acesso em 25 jun. 2020.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Tradução de Laurent Léon Schaffter. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1990.

MOLLOY, Sylvia. Vale o escrito: a escrita autobiográfica na América hispânica. Chapecó: Argos, 2003.

MORAN, José. Construindo novas narrativas significativas na vida e na educação. In: PORTO, Ana Paula Teixeira; SILVA, Denise Almeida; PORTO, Luana Teixeira. Narrativas e mídias na escola. Frederico Westphalen: URI, 2014. p. 43-58. Disponível em http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2016/04/construindo.pdf. Acesso em 10 mai. 2020.

POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol.2, nº 3, 1989. p. 03-15.

SILVEIRA, Éder da Silva. História Oral e memória: pensando um perfil de
historiador etnográfico. MÉTIS: história & cultura, v. 6, n. 12, p. 35-44, jul./dez. 2007. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/metis/article/view/835. Acesso em 13 jun. 2020.

ZANETTE, Marcos Suel. Pesquisa qualitativa no contexto da Educação no Brasil. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 65, p. 149-166, jul./set. 2017.
Publicado
2020-12-21
Como Citar
ARAÚJO, S. DA S.; RODRIGUES DA SILVA JUNQUEIRA, A.; MARIANO, S. M. F. A implantação do IF Goiano - Campus Iporá: . Revista Labor, v. 2, n. 24, p. 443-464, 21 dez. 2020.
Seção
Dossiê