ANALYSIS OF THE INNOVATIVE PRACTICES AT CONSTRUCTION INDUSTRY (ANÁLISE DAS PRÁTICAS DE INOVAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL)

  • Dusan Schreiber universidade feevale
  • Ivan Antônio Pinheiro UFRGS
Palavras-chave: Inovação. Construção civil. Tecnologia. Processos operacionais.

Resumo

A complexidade que tem caracterizado as relações de mercado, notadamente nas últimas duas décadas, com exigência de inovação de produtos e processos, repercutiu, inclusive, em atividades mais tradicionais, como no segmento de construção civil. Apesar de tradicional, o referido segmento passou por diversas modificações no modelo de negócios, em decorrência de importantes avanços tecnológicos, exigindo das empresas a sua adaptação às novas condições incorporando novas tecnologias, materiais e desenvolvendo novos processos, considerados inovadores. Com o propósito de estudar o referido processo foi conduzida a pesquisa com abordagem qualitativa, estudo de caso único, em uma indústria de construção civil, localizada na região metropolitana de Porto Alegre, por meio de entrevistas em profundidade, análise de narrativas e de documentos da empresa estudada. Os resultados permitiram identificar as especificidades que exigiram a concepção e adoção de diferentes formas de gestão e coordenação de recursos pelos gestores organizacionais, tornando-se referência no respectivo setor econômico.

Biografia do Autor

Dusan Schreiber, universidade feevale
doutor em administração
Ivan Antônio Pinheiro, UFRGS
doutor em administração

Referências

ANSOFF, H. I. Estratégia Empresarial. São Paulo: McGraw-Hill, 1965.

ARGYRIS, C.; SCHÖN, D. A. Organizational learning II. Theory, Method and Practice. Massachusetts: Addison-Wesley, 1996.

AVELAR, A. C. B. S; MONTEIRO, A. O. A cooperação entre empresas de edificações na construção civil: a formação de alianças estratégicas em Salvador. Revista Gestão e Planejamento, Salvador, v. 14, n. 2, pp. 350-364, maio/ago. 2013.

BALL, K. Organization surveillance and the body: towards a politics of resistance. Organization, v.12, n.1, pp.89-108, 2005

BANDEIRA, R. A. M.; MELLO, L. C. B. B.; MAÇADA, A. C. G. Relacionamento interorganizacional na cadeia de suprimentos: um estudo de caso na indústria da construção civil. Produção, v. 19, n. 2, maio/ago. 2009, pp. 376-387

BARKER, J. R. Tightening the iron cage: coercitive control in self-managing teams. Administrative Science Quarterly, v.38, pp. 408-437, 1993.

BARNEY, J. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v.17, n.1, pp. 99-120, 1991.

BERNARDES, M. M S. Planejamento e controle da produção para empresas de construção civil. Rio de Janeiro: LTC, 2011.

BERNSTEIN, M. Identity Politics. Annual Review of Sociology; 2005; 31, pp.47-74.

BEUREN, I. M; FLORIANI, R.; HEIN, N. Indicadores de inovação nas empresas de construção civil de Santa Catarina que aderiram ao Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade no Habitat (PBQP-H). Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, v. 4, n. 1, pp. 161-178, jan./jun. 2014.

BOJE, D. M. Stories of the storytelling organization: A postmodern analysis of Disney as “Tamara-Land”. Academy of Management Journal, August 1995, v. 35, pp. 997-1035.

BONOMA, T. V. Case research in marketing: opportunities, problems, and process. Journal of Marketing Research, v. 22, n. 2, pp. 199-208, 1985.

BROWN, J. S; DUGUID, P.. Knowledge and organization: A social-practice perspective. Organization Science; v. 12, n. 2, pp. 198-213, mar./apr. 2001.

CHAHARBAGHI; K.; NEWMAN, V.. Innovating: towards an integrated learning model. Management Decision. London: v. 34, n. 4, pp. 5- 13, 1996.

CHANDLER, A. D. Organizational Capabilities and the Economic History of the Industrial Enterprise. The Journal of Economic Perspectives. ; v. 6, n. 3, pp. 79-100, Summer 1992.

CHAPMAN, R.; HYLAND, P. Complexity and learning behaviors in product innovation. Technovation, v. 24, n. 7, pp. 553–561, 2004.

CHRISTENSEN, C. M.; RAYNOR, M. E. O Crescimento pela Inovação – Como crescer de forma sustentada e reinventar o sucesso. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

CHRISTENSEN, J. F. Corporate strategy and the management of innovation and technology. Industrial and Corporate Change, v. 11, n. 2, pp. 263-288, 2002.

COURPASSON, D. Managerial strategies of domination – power in soft bureaucracies. Organization Studies, v. 21, n. 1, pp. 141-161, 2000.

CZARNIAWSKA, B. Anthropology and Organizational Learning. In: DIERKES, Meinolf; ANTAL, Ariane; B.; CHILD, John; NONAKA, Ikujiro (Orgs.). Organizational Learning and Knowledge, New York: Oxford, 2001. pp. 118-136.

DAVIS, M. M.; AQUILANO, N. J.; CHASE, R. B. Fundamentos da Administração da Produção. Porto Alegre: Bookman, 2003.

FARAH, M. F. S. Processo de trabalho na construção habitacional: tradição e mudança. São Paulo: Annablume, 1996.

FAYOL, H. Administração industrial e geral. 10ª ed. São Paulo: Atlas, 1990.

FELLS, M. J. Fayol stands the test of time. Journal of Management History, v. 6, n. 8, pp. 345-360, 2000.

FISCHER, G. N. Espaço, identidade e organização. In: CHANLAT, Jean-François (Coord.). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. 3ª. ed. São Paulo: Atlas, 1996. v. 2. pp. 81-102.

FOSS, N. J.; FOSS, K. The Next Step in the Evolution of the RBV: Integration with Transaction Cost Economics. Management Review, v. 15, n. 1, pp. 107-…, 2004.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. 25ª ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

FREEMAN, C. The economics of industrial innovation. Cambridge: The MIT Press, 1989.

FREJ, T. A.; ALENCAR, L. H. Fatores de sucesso no gerenciamento de múltiplos projetos na construção civil em Recife. Produção, v. 20, n. 3, pp. 322-334, jul./set. 2010.

GAMBARDELLA, A.; MCGAHAN, A. M. Business model innovation: general purpose technologies and their implications for industry architecture. Long Range Planning, 43(2-3), pp. 262-271, 2010.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GRANT, R. M. The Resource-Based Theory of Competitive Advantage: Implications for Strategy Formulation. California Management Review, v. 33, n. 3, p. 114-133, Spring 1991.

GUEDES, A. A.; MEIRELLES, D. S.; COTI-ZELATI, P. E.. Projeto de habitação popular no Brasil e mudanças nos modelos de negócio da construção civil. Caderno Profissional de Administração – UNIMEP, v.5, n. 2, 2015

HABERMAS, J. Técnica e Ciência como “Ideologia”. Lisboa: Edições 70, 1993.

HALPIN, D. W.; WOODHEAD, R. W. Administração da construção civil. 2ª. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2004.

HIRSCHFELD, H.. A Construção civil fundamental: modernas tecnologias. São Paulo: Atlas, 2000.

KIM, W. CH.; MAUBORGNE, R. A estratégia do Oceano Azul – como criar novos mercados e tornar a concorrência irrelevante. 5ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.

LIMMER, C. V. Planejamento, orçamentação e controle de projetos e obras. São Paulo: LTC, 1997.

LOASBY, B. J. The organisation of capabilities. Journal of Economic Behavior & Organization, v. 35, pp. 139-160, 1998.

MADHOK, A. The organization of economic activity: transaction costs, firm capabilities, and the nature of governance. Organization Science, v. 7, n. 5, pp. 577-590, 1996.

MAIOR, A. S. História Geral. São Paulo: Editora São Paulo, 1967.

MARKIDES, C. C. Business model innovation: what can the ambidexterity literature teach us. The Academy of Management Perspectives, 27(4), pp. 313-323, 2013.

MARTINS, P G.; LAUGENI, F. P. Administração da Produção. São Paulo: Saraiva, 2006.

MATTOS, A. D. Planejamento e controle de obras. São Paulo: Pini, 2010.

MEYER, J. W., ROWAN, B. Institutionalized organizations: formal structures as myth and ceremony. In: MEYER, J. W., SCOTT, W. R. Organizational Environments: ritual and rationality. Updated Edition. London: Sage, 1992.

MILLER, G. A. The Magical Number Seven, Plus or Minus Two: Some Limits on our Capacity for Processing Information. Psychological Review, Harvard University, n. 63, pp. 81-97, 1956.

MILLER, W. L.; MORRIS, L. 4th Generation R&D: Managing Knowledge, Technology, and Innovation. New York: John Wiley & Sons, Inc., 1998.

MINTZBERG, H. Strategy-making in three modes. California Management Review, v. 26, n. 2, pp. 44-53, 1973.

MOEN, T. Reflections on the Narrative Research Approach. International Journal of Qualitative Methods. 5 (4) December 2006.

NEDEFF, M. C.; DALBERTO, M.; DE TONI, D.; MILAN, G. S.; BARCELLOS, P. F. P. A percepção de gestores da construção civil acerca do conceito de estratégia organizacional: Um estudo exploratório. Revista de Negócios, vol. 19, n. 3, pp. 23-40, 2014.

NELSON, R. R.; WINTER, S. G. An evolutionary theory of economic change. Cambridge: Belknap Press, 1982.

NEVES, F. V. F.; GUERRINI, F. M. Modelo de requisitos e componentes técnicos para a formação e gerência de redes de cooperação entre empresas da construção civil. Gest. Prod., São Carlos, v. 17, n. 1, pp. 195-206, 2010

OCDE-FINEP. Manual de Oslo. Rio de Janeiro, 2006. Disponível em: http://download.finep.gov.br/imprensa/manual_de_oslo.pdf. Acesso em: 17 dez. 2012.

PEAUCELLE, J.-L. From Taylorism to Post-Taylorism simultaneously pursuing several management objectives. Journal of Organizational Change Management, v. 13, n. 5, pp. 452-464, 2000.

PENROSE, E. The theory of the growth of the firm. New York: Wiley, 1959.

PETERAF, M. A. The Cornerstones of Competitive Advantage: A Resource-Based View. Strategic Management Journal, v. 14, n. 3, pp. 179-191, mar. 1993.

POLKINGHORNE, D. E. Validity issues in narrative research. Qualitative Inquiry, v. 13, n. 4, pp. 471-486, 2007.

PORTER, M. E. Vantagem Competitiva – Criando e Sustentando um Desempenho Superior. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

RIBEIRO, C. C; PINTO, J. D. S; STARLING, T. Materiais de construção civil. 2ª ed. Belo Horizonte, MG: UFMG, 2002.

RIESSMAN, C. K. Narrative analysis. London: SAGE, 1993.

RIPPER, E. Manual prático de materiais de construção: recebimento, transporte interno, estocagem, manuseio e aplicação. São Paulo: Pini, 2001.

RODNEY, M. Knowledge management as a catalyst for innovation within organizations: a qualitative study. Knowledge and Process Management, v. 7, n. 4, pp. 233-259, oct./dec. 2000;

RONCON, A.; OLIVEIRA, M. L.; BELTRAME, I. Processos gerenciais de gestão de pessoas em empresas do setor da construção civil. ReCaPe Revista de Carreiras e Pessoas São Paulo. Volume V - Número 01 – 2015.

ROSENBERG, N. Inside the black box: technology and economics. Cambridge: Cambridge University Press, 1982.

SAKO, M. Technology strategy and management: business models for strategy and innovation. Comunicações da ACM, 55(7), pp. 22-24, 2012.

SALGADO, J. C. P. Técnicas e práticas construtivas para edificação. 2ª. ed., rev. São Paulo: Érica, 2009.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

SILVA, Márcia Terra da; WARSCHAUER, Claus Leon; ROTONDARO, Roberto Gilioli; TORRES, O. F. F. Gestão de operações: a engenharia de produção a serviço da modernização da empresa: produção industrial; construção civil; competitividade; mercado. 2ª. ed. São Paulo: Fundação Vanzolini/Edgard Blücher, 1998.

SILVA, R. C.. Controle organizacional, cultura e liderança: evolução, transformações e perspectivas. II Encontro de Estudos Organizacionais, Recife, 2002.

SILVA, M. A. C; SOUZA, R. Gestão do processo de projeto de edificações. São Paulo: O Nome da Rosa, 2003.

SIMON, H. A. Bounded Rationality and Organizational Learning. Organization Science, v. 2, n. 1, pp. 125-134, 1991.

SINDUSCON-RS. Indicadores econômicos da construção civil. Disponível em: http://www.sinduscon-rs.com.br. Acesso em: 12 de Dezembro de 2012.

SLACK, N.; CHA.MBERS, S.; JOHNSTON, R.. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, 2002.

SOUZA, E. L. P. Clima e Cultura organizacional: como se manifestam e como se manejam. São Paulo: Edgard Blücher, 1978.

SPRADLEY, J P. Anthropology: The cultural perspective. New York: John Wiley & Sons, 1975.

STRATI, A. Organizational symbolism as a social construction: A perspective from the Sociology of Knowledge. Human Relations, v. 51, n. 11; pp. 1379-1391, Nov. 1998

TEECE, D. Business models, business strategy, and innovation. Long Range Planning, 43(2-3), pp. 172-194, 2010.

THOMAZ, É. Tecnologia, gerenciamento e qualidade na construção. São Paulo: Pini, 2001.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Managing innovation: integrating technological, market and organizational change. 3rd. ed. Chichester: John Wiley & Sons, 2005.

TISAKA, M. Orçamento na construção civil: consultoria, projeto e execução. 2ª. ed. rev. ampl. São Paulo: Pini, 2011.

TSANG, E. W. K. Choice of international technology transfer mode. Management International Review, v. 37, n. 2, pp.151-168, 1997.

TULL, D. S.; HAWKINS, D. I. Marketing Research - Meaning, Measurement and Method. London: Macmillan, 1976.

VERGARA, Sylvia Constant. Gestão de pessoas. 5ª. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

VOLPE, Loredana; BIFERALI, Daniele. Edith Tilton Penrose, The Theory of the Growth of the Firm, John Wiley & Sons, New York, 1959. Springer Science+Business Media, 2008, v. 12, n. 1, pp. 119-125.

WEICK, K. E. Sensemaking in organization. London: Sage, 1995.

WERNERFELT, B. A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal, v. 5, n. 2, pp. 171-180, 1984.

WHITTINGTON, R. O que é Estratégia. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

WILLIAMSON, P. J. Cost innovation: preparing for a ‘value-for-money’ revolution. Long Range Planning, 43(2- 3), pp. 343-353, 2010.

YIN, R. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Publicado
2016-10-26
Seção
Artigos